Curitiba tem 362 novos casos e sete mortes por covid-19

Curitiba registrou nesta quarta-feira (16/9), 362 novos casos de covid-19 e sete óbitos de moradores da cidade infectados pelo novo coronavírus, conforme boletim da Secretaria Municipal da Saúde.

As novas vítimas são três homens e quatro mulheres, com idades entre 39 e 92 anos. Quatro destes óbitos ocorreram nas últimas 48 horas. Os demais foram nos dias 9 e 14 de agosto.

Apenas um dos pacientes não apresentava fator de risco para as complicações da covid-19.  

Até agora são 1.156 mortes na cidade provocadas pela doença neste período de pandemia.

Novos casos

Com os novos casos confirmados, sobre 39.631 moradores de Curitiba testaram positivo para a covid-19 desde o início da pandemia, dos quais 33.831 estão liberados do isolamento e sem sintomas da doença.

São 4.644 casos ativos na cidade, correspondentes ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus.

UTIs do SUS

Nesta quarta-feira (16/9), a taxa de ocupação dos 334 leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19 é de 87%. Todos os pacientes que são internados com quadro de síndrome respiratória aguda grave vão para os leitos exclusivos covid-19 e não apenas os casos confirmados da doença. No momento restam 47 leitos livres.

Números da covid-19 em 16 de setembro

362 novos casos
7 novos óbitos

Números totais

Confirmados – 39.631
Investigação: 630
Recuperados – 33.831
Óbitos – 1.156

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja os direitos previdenciários e trabalhistas de quem contraiu a Covid-19

Entre os benefícios que podem ser conquistados pelo segurado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), por exemplo, estão auxílio-doença, pensão por morte e aposentadoria por invalidez


Trabalhadores contaminados pela Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, ou dependentes que tiveram parentes mortos em decorrência do vírus, têm uma série de direitos trabalhistas e previdenciários.

Entre os benefícios que podem ser conquistados pelo segurado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), por exemplo, estão auxílio-doença, pensão por morte e aposentadoria por invalidez.

O trabalhador que foi infectado pelo vírus também poderá usufruir dos seguintes direitos constitucionais: estabilidade no emprego, recolhimento do FGTS, convênio médico e, em alguns casos, indenização.

“Os direitos previdenciários e trabalhistas serão preservados nas duas hipóteses: se a pessoa contraiu Covid-19 no ambiente de trabalho ou fora dele”, diz o advogado Peterson Vilela, do L.O. Baptista Advogados.

Auxílio-doença

O INSS prevê o pagamento do auxílio-doença ao segurado que esteja temporariamente incapacitado para o trabalho. Logo, o benefício poderá ser concedido ao funcionário infectado pelo novo coronavírus.

O benefício – hoje chamado de auxílio por incapacidade temporária – é pago a partir do 16º dia em que o segurado se afastou da ocupação. Até então, o salário da vítima deve ser garantido pela própria empresa.

O valor do auxílio por incapacidade temporária pago pela Previdência Social é o equivalente a 91% do resultado da média aritmética simples dos maiores salários correspondentes a 80% do período contributivo.

Informações Metrópoles, via Banda B.

Pesquisadores identificam primeiro gato com coronavírus no Brasil

Não há evidências de que os animais domésticos, como gatos e cachorros, sejam uma forma de transmissão importante para pessoas

Pesquisadores identificaram o que deve ser o primeiro felino brasileiro oficialmente contaminado pelo Sars-CoV-2, vírus que causa a Covid-19 em humanos. A descoberta do felino com o vírus foi noticiada pelo jornal O Globo.

O fato não chega a ser surpreendente no universo do novo coronavírus. Já há relatos, em outras partes do mundo, de animais nos quais foi detectado o Sars-CoV-2.

Mas não fique preocupado. Não há evidências de que os animais domésticos, como gatos e cachorros, sejam uma forma de transmissão importante para pessoas.

São os humanos, ao que tudo indica, que contaminam os animais, segundo informações da FDA (agência de controle de drogas e alimentos, com função similar à da Anvisa) e do CDC (Centros de Controle de Doenças), ambos dos Estados Unidos.

Nos casos de Sars-CoV-2 detectado em animais domésticos, havia ocorrido contato próximo entre o bichinho e uma pessoa infectada pela Covid-19. O mesmo ocorreu no caso brasileiro, segundo reportagem do O Globo.

O gato brasileiro com Sars-CoV-2 – e sem sintomas -, é de Cuiabá, em Mato Grosso. Ele contraiu o vírus de seus donos, um casal e uma criança pequena, que foram contaminados em uma festa de família, em setembro. O casal ficou doente, mas a criança teve um quadro assintomático, segundo a reportagem.

Até o momento, segundo o CDC, já houve registro de infecção pelo Sars-CoV-2 em gatos e cachorros domésticos. Também há documentação de leões e tigres que foram contaminados pelo vírus no zoológico de Nova York, uma das cidades que foi mais afetada pela doença. Nesse caso, os animais foram testados após apresentarem sintomas de problemas respiratórios. Os bichanos se recuperaram bem.

O vírus foi ainda detectado em minques em fazendas na Holanda, Dinamarca, Espanha e Estados Unidos, segundo o CDC. A gata brasileira com Sars-CoV-2 é um caso ilustrativo dos cuidados necessários com os bichinhos de estimação durante a pandemia.

O ideal, segundo o CDC, é limitar as interações do seu animal de estimação com pessoas fora da sua casa. Deve-se manter os gatos dentro de casa, andar com cachorros distante de outras pessoas e evitar locais com aglomerações. Além disso, não se deve colocar máscaras nos bichinhos.

Por fim, se alguém da casa se contaminar, é necessário isolar a pessoas e afastar os bichinhos de estimação dela, da mesma forma como se faz com os outros presentes na residência.

Informações Banda B.