Curitiba registra 326 novos casos e 11 óbitos por covid-19

Curitiba registrou nesta sexta-feira (25/9) 326 novos casos de covid-19 e 11 óbitos de moradores da cidade infectados pelo novo coronavírus, conforme boletim da Secretaria Municipal da Saúde.

As novas vítimas são cinco homens e seis mulheres, com idades entre 26 e 100 anos. Nove destes óbitos ocorreram nas últimas 48 horas.

Até agora são 1.246 mortes na cidade provocadas pela doença neste período de pandemia.

Novos casos

Com os novos casos confirmados, 42.805 moradores de Curitiba testaram positivo para a covid-19 desde o início da pandemia, dos quais 37.748 estão liberados do isolamento e sem sintomas da doença.

São 3.811 casos ativos na cidade, correspondentes ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus.

UTIs do SUS

Nesta sexta-feira (25/9), a taxa de ocupação dos 334 leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19 é de 77%. Todos os pacientes que são internados com quadro de síndrome respiratória aguda grave vão para os leitos exclusivos covid-19 e não apenas os casos confirmados da doença. No momento restam 77 leitos livres.

Números da covid-19 em 25 de setembro

326 novos casos
11 novos óbitos

Números totais

Confirmados – 42.805
Investigação: 565
Recuperados – 37.748
Óbitos – 1.246

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Secretário da Saúde alerta para alta dos números da Covid-19 nos últimos 3 dias no Paraná: “A pandemia não acabou”

O boletim da Covid-19 desta quarta-feira (21) mostrou que o estado passou de 200 mil infectados e que o número de mortes se aproxima de 5 mil

O secretário de Saúde do Paraná, Beto Preto, afirmou nesta quarta-feira (21) que um aumento no número de casos e mortes por coronavírus foi registrado nos últimos três dias no estado. Ele ressaltou a importância da população continuar com as medidas de prevenção contra o vírus.

“Nos últimos três dias, começamos a detectar uma nova alta no número de casos confirmados e também de óbitos de paranaenses que estão internados nos hospitais. Quero chamar a atenção para isso: a pandemia não acabou”, disse Beto Preto.

O boletim da Covid-19 desta quarta-feira mostrou que o estado passou de 200 mil infectados e que o número de mortes se aproxima de 5 mil.

De acordo com o secretário, o Paraná ficou dois meses com a curva de casos de Covid-19 em um patamar “muito elevado”, mas ela vem baixando. Em comparação há 15 dias atrás, o número de casos e mortes pela doença teria caído em até 30%.

Beto Preto destacou ainda que o Paraná é o segundo estado, entre todos do país, que mais aplicou testes RT-PCR. “São 220 dias da pandemia do coronavírus aqui no Paraná. Em 220 dias, já chegamos a quase 800 mil testes RT-PCR realizados. Chegamos aqui com menos perdas de vidas humanas do que outros estados, mas mesmo assim existem cidades inteiras enlutadas pela perda de muitos paranaenses. Para que essa dor não aumente ainda mais, vamos continuar nos cuidando”, concluiu o secretário.

Boletim

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quarta-feira mais 1.168 casos confirmados e 35 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. As novas vítimas são 17 mulheres e 18 homens, com idades que variam de 40 a 113 anos.

Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 200.952 casos e 4.986 mortos em decorrência da doença.

Informações Banda B.

Morre voluntário brasileiro que participava dos testes da vacina de Oxford

Não se sabe ainda se ele tomou a vacina ou o placebo

Um voluntário brasileiro que participava dos testes da vacina de Oxford morreu, informou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta quarta-feira (21).  O médico João Pedro Feitosa, de 28 anos, que participava como voluntário dos testes da vacina de Oxford, morreu em decorrência de complicações da covid-19.

Ainda não foi divulgado, porém, se ele tomou a vacina de fato ou placebo e qual a relação da morte com os testes da imunização. A Anvisa também não deu detalhes sobre o paciente, quando a morte ocorreu e desde quando ele fazia parte dos testes.

A agência afirmou em nota que responsáveis pelo desenvolvimento da vacina compartilharam dados referentes à investigação realizada pelo Comitê Internacional de Avaliação de Segurança, que sugeriu prosseguir os estudos durante a análise do caso.

“É importante ressaltar que, com base nos compromissos de confidencialidade ética previstos no protocolo, as agências reguladoras envolvidas recebem dados parciais referentes à investigação realizada por esse comitê, que sugeriu pelo prosseguimento do estudo. Assim, o processo permanece em avaliação.”

O texto da Anvisa diz ainda que, “segundo regulamentos nacionais e internacionais, os dados sobre voluntários de pesquisas clínicas devem ser mantidos em sigilo, em conformidade com princípios de confidencialidade, dignidade humana e proteção dos participantes”.

Por fim, diz que “cumpriu, cumpre e cumprirá a missão de proteger a saúde da população”.

A AstraZeneca Brasil afirma ainda não ter um posicionamento oficial sobre o assunto.

Informações Banda B.