Curitiba prepara projeto de lei para compra de vacinas via consórcio

A Prefeitura de Curitiba já enviou o formulário de adesão ao consórcio que será formado por municípios brasileiros para a compra de vacinas e prepara o projeto de lei que prevê a sua participação no projeto coletivo de aquisição de imunizantes. A proposta deve ser encaminhada até o fim da próxima semana à Câmara Municipal de Curitiba.

O consórcio de municípios, que é encabeçado pela Federação Nacional dos Municípios (FNP) e por cidades como Curitiba, deve ser formado até 22 de março. Mais de 100 municípios já manifestaram interesse em participar. Cada um terá que aprovar nas respectivas casas legislativas o projeto autorizando o ingresso no consórcio.

A ideia é que a iniciativa se some às vacinas disponibilizadas pelo plano nacional de imunização do governo federal. Curitiba vem fazendo um trabalho de aproximação com os laboratórios para viabilizar a aquisição tanto individual como coletiva.

“Continuaremos insistindo de todas as maneiras para que as vacinas cheguem mais rapidamente à população de Curitiba”, diz o secretário de Planejamento, Finanças e Orçamento, Vitor Puppi. Já foram feitos contatos com laboratórios como Pfizer/BioNTech, Oxford/AstraZeneca, Johnson&Johnson e Bharat Biotech.

Segundo o secretário, se houver espaço, via consórcio ou individualmente, a ideia é adquirir.

“Temos recursos do Fundo de Estabilização e Recuperação Fiscal para essa finalidade. O intuito é complementar a política nacional de imunização”, disse. Curitiba já tem reservado R$ 100 milhões para essa finalidade.

Para os municípios, a vantagem do consórcio é garantir escala de compra, o que pode gerar melhores negociações, e, ao mesmo tempo, evitar uma competição entre os municípios pela vacina.

Atualmente, no mundo, há dez vacinas aprovadas e mais de 256 em fase de testes. São 74 em desenvolvimento clínico e 182 em fase pré-clinica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Crianças e estudantes da rede municipal curitibana retomam rotina 100% presencial

Nesta segunda-feira (27), todos os mais de 90 mil estudantes que estavam no formato híbrido (grupos A e B com alternência semanal nas unidades) voltam a frequentar a escola municipal todos os dias. É o retorno do formato 100% presencial para quem escolheu essa opção.

Os 30% restantes optaram por seguir no formato exclusivamente remoto, com as videoaulas da TV Escola Curitiba e os kits pedagógicos.

A rede municipal de ensino tem 185 escolas e 230 Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs), com 140 mil matriculados.

“Nosso objetivo é que os pais e responsáveis, pouco a pouco, se sintam seguros e organizem seu cotidiano para que todas as crianças retornem presencialmente às unidades”, disse a secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila.

“Lembrando que quem quiser trocar de formato pode, só precisa comunicar a direção da unidade onde a criança está matriculada”, explicou a secretária.

Higiene reforçada

A secretária reiterou a importância de continuar respeitando os protocolos sanitários e os cuidados em geral que evitam contaminação: aferição de temperatura na entrada, limpeza dos pés no tapete sanitizante, higienização das mãos, horários escalonados de intervalo e para as refeições, não aglomerar, usar sempre a máscara, lavar as mãos, usar álcool gel, não emprestar material dos colegas, levar garrafinha de água.

“Sabemos que a saudade é grande mas todos precisam colaborar”, frisou.

Volta as aulas em todas as escolas municipais e CMEIs. Curitiba, 29/09/2021. Foto: Lucilia Guimarães/SMCS

Nos CMEIs, para as crianças da educação infantil, os cuidados também são os mesmos. No CMEI Maria Viezzer Hermann (na Vista Alegre), das 126 crianças matriculadas, 91 estão no presencial. “Todos estão acostumados aos cuidados, os pais se sentem seguros”, comentou a diretora Lizandra Terezinha Rosa da Cruz.

Júlia Teixeira, do pré I, estava feliz com os colegas em sala. “Aqui tem diversão. E eu aprendo coisas”, disse a menina.

Na Escola Municipal Batel (Centro), a fila na entrada estava cheia de rostos curiosos, como os irmãos Abdolaziz Atel Bem Ragiab, do 1º ano, e a irmã Aysha, do 4º ano.

A diretora Lucineia Percigili dividiu os horários de entrada, com o primeiro grupo (4º e 5º anos) às 7h30 e as turmas de 1º, 2º e 3º ano às 7h40. Na unidade, os estudantes do presencial também são maioria, apenas 120 dos 420 ficaram no remoto. “Depois de passar pelo termômetro e limpar os pés, eles seguem para as salas”, contou.

Monitoramento constante

A decisão de retomar o formato 100% presencial levou em conta os resultados do monitoramento feito nas unidades desde o retorno às aulas no formato híbrido, a partir de 19 de julho. Até essa data o ensino foi realizado no formato remoto.

Ao longo desse período, foram avaliados o cumprimento efetivo dos protocolos sanitários e o baixo número de casos confirmados da covid-19 entre profissionais, crianças e estudantes.

“O monitoramento é constante, as escolas são dinâmicas e dinâmico é nosso cuidado”, disse Maria Sílvia.

Todas as unidades receberam os equipamentos e cuidados necessários para um retorno seguro. Foram entregues máscaras, face shields, totens de álcool em gel, tapetes sanitizantes e aventais, além dos serviços de sanitização que periodicamente são realizados pela Prefeitura de Curitiba.

Confira os principais cuidados:

– uso obrigatório de máscara para profissionais e estudantes

– totens e frascos de álcool gel disponíveis

– horários de entrada, saída, refeições e intervalos escalonados para evitar aglomerações

– interdição de bebedouros coletivos

– desinfecção de mobiliário e materiais em geral com álcool 70%

Paraná receberá mais 251,6 mil vacinas contra a Covid-19 nesta terça-feira

O Ministério da Saúde confirmou o envio de mais 251.640 vacinas contra a Covid-19 ao Paraná nesta terça-feira (28). Serão 195.390 doses da Pfizer/BioNTech e 56.250 da AstraZeneca/Fiocruz.

Os imunizantes da Pfizer são divididos em 45.630 doses para reforço da população acima de 70 anos que tenha tomado a segunda dose entre 21 e 31 de março; 11.700 para primeira dose (D1) em adolescentes, gestantes e puérperas e adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas (privados de liberdade) e 138.060 para D2 referente à 35ª pauta.

Já as vacinas da AstraZeneca são destinadas exclusivamente para D2 da 31ª pauta (de meados de julho).

As vacinas serão enviadas em dois voos. O primeiro (LA 3878), com os imunizantes da Pfizer, aterrissa no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, à 0h20. O voo AD 4193 com as vacinas da AstraZeneca deve chegar ao Estado às 10h05.

As doses serão encaminhadas para o Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar) para conferência e armazenamento até que sejam distribuídas para as Regionais de Saúde.

Este é o segundo lote do Ministério da Saúde com doses exclusivas para a imunização de adolescentes. De acordo com os dados do Vacinômetro nacional, o Paraná já aplicou 27.479 vacinas no público de 12 a 17 anos. Quanto às doses de reforço, 21.525 vacinas foram aplicadas no Estado.