Consórcio de municípios pretende comprar 20 milhões de doses de vacinas

O prefeito Rafael Greca participou nesta segunda-feira (22) da instauração e da primeira assembleia geral do Conectar – Consórcio Nacional de Vacinas das Cidades Brasileiras, iniciativa que envolve mais de 2,5 mil municípios para a compra de imunizantes, insumos, medicamentos e equipamentos para o combate à covid-19. O objetivo inicial do Conectar é adquirir 20 milhões de doses de vacinas, que poderão completar o Plano Nacional de Imunização até o fim do primeiro semestre.

“Estamos muito esperançosos com a implantação do consórcio Conectar, que reúne municípios que representam mais da metade da população brasileira. Vamos buscar, de forma conjunta, maneiras de acelerar a imunização da população curitibana. Unidos, somos mais fortes”, disse o prefeito Rafael Greca, que participou da reunião remota acompanhado do vice-prefeito, Eduardo Pimentel.

Ainda não há, contudo, uma previsão de quanto desse volume, se efetivado, poderá vir para Curitiba. A Prefeitura tem reservados, do fundo de emergência do município, cerca de R$ 100 milhões para a aquisição de vacinas.

A estratégia do Conectar, ligado à Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), é efetivar a compra por meio de três frentes: via consórcio Covax Facility – iniciativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) em parceira com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) -; via Fundo Rotatório da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas); e ainda por negociação para a compra de parte das vacinas AstraZeneca que estão em estoque nos Estados Unidos.

“A estimativa do governo federal é de distribuir 40 milhões de doses por mês. Acreditamos que os municípios podem adquirir um total de 20 milhões de doses, volume que seria necessário para antecipar em pelo menos um mês a cobertura de imunização dos grupos prioritários no País”, disse a epidemiologista Carla Rodrigues, consultora do Conectar e da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP).

Competência constitucional

A possibilidade de os municípios adquirirem vacinas foi referendada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em fevereiro deste ano, a partir do entendimento de que as administrações municipais também possuem competência constitucional para aquisição e fornecimento de vacinas nos casos de descumprimento do Plano Nacional de Imunização pelo Governo Federal e de insuficiência de doses para imunização da população brasileira. Em 2 de março, o Congresso Nacional aprovou o projeto de Lei nº 534/2021, que autoriza os municípios a comprarem imunizantes.

“O consórcio de municípios mostra a vitalidade da nossa federação, o fortalecimento da cidadania”, disse o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que participou da assembleia como convidado.

Para o ex-ministro do STF Carlos Ayres Britto, o consórcio vai garantir maior acesso e velocidade na vacinação à população.

“A saúde é um direito social fundamental. Essa iniciativa mostra um ganho de eficiência na nossa federação, com um comprometimento com a constituição, com o humanismo e com o espírito público”, acrescentou.

Adesão

O presidente da FNP, Jonas Donizette, ressaltou a rapidez na mobilização dos municípios para a formação do consórcio.

“Ele foi formado em menos de um mês, em tempo recorde, e mostra a força dos municípios”, disse. Dos 2.599 municípios interessados, 1.731 aprovaram leis municipais autorizando a participação no Conectar.

O prefeito Rafael Greca sancionou, na semana passada, duas leis voltadas para a aquisição de imunizantes. A primeira autoriza a compra pelo município e a segunda ratifica a participação no consórcio.

O próximo passo do consórcio é a eleição da diretoria e a escolha do conselho fiscal, que devem ser formados durante assembleia na próxima segunda-feira (29).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curitiba chega a mais de 70% da população completamente imunizada

Curitiba chegou a 71,6% da população completamente imunizada (com duas doses ou dose única), de acordo com os dados atualizados até 27 de novembro pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS).

Considerando apenas a população com 18 anos completos ou mais, esse índice de cobertura chega a 90,8%. Considerando o recorte da população com 12 anos completos ou mais, a cobertura fica em 83,8%.

“Com a imunização completa da população avançando, vamos ficando todos, a cada dia, mais e mais protegidos contra esse mal”, afirma o prefeito Rafael Greca.  

“É a alta cobertura vacinal, aliada a medidas não farmacológicas como distanciamento social, uso da máscara e higiene das mãos, que poderá nos proteger em relação a nova variante ômicron”, afirma a secretária municipal da Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak.

Mesmo com a alta cobertura de pessoas com a imunização completa, 81.662 moradores da cidade que já poderiam ter recebido a segunda dose ainda não compareceram. Uma taxa de faltosos de 5,8%, segundo dados computados até 24 de novembro.

De acordo com Márcia, é importante também que todos que já estejam no prazo para receber a dose de reforço e tenham sido convocados compareçam aos pontos de vacinação. “Com a nova variante é ainda mais importante a dose de reforço. Precisamos manter a imunidade alta e a dose complementar tem esse papel no sistema imunológico”, explica Márcia.

Curitiba já aplicou 3.118.896 unidades do imunizante, sendo 1.526.482 primeiras doses e 1.357.552 segundas doses; 38.259 doses únicas; e 196.603 doses de reforço. Ao todo, 80,3% da população em geral recebeu ao menos uma dose do imunizante. Isso significa que foram vacinadas com ao menos uma dose 1.564.741 pessoas em Curitiba.

Vacinados com 18 anos ou mais

Entre a população com 18 anos ou mais, 1.413.260 receberam a primeira dose; 1.333.925 receberam a segunda dose e 38.259 pessoas receberam a vacina em dose única.

Curitiba também está aplicando as doses de reforço para quem já completou o ciclo de imunização. Até este sábado (27/11), 196.603 pessoas receberam a dose complementar.

Adolescentes de 12 a 17 anos

Até o momento, a SMS vacinou 113.222 adolescentes entre 12 e 17 anos. Destes, 23.627 já receberam também a segunda dose.

Doses recebidas

Até o momento, Curitiba recebeu do Ministério da Saúde, repassadas pelo Governo do Paraná, 3.386.900 doses de vacinas, sendo 1.614.832 para primeira dose, 1.488.755 para segunda dose, 38.290 doses de aplicação única e 245.023 doses de reforço. Nesse montante já estão contabilizados os 5% de reserva técnica.

A reserva técnica é uma medida de segurança, faz parte dos protocolos da logística e é necessária para evitar problemas no fluxo de imunização que possam ser causados por imprevistos eventuais, como a quebra acidental de frascos.

O município tem capacidade para vacinar, já tendo aplicado 45,6 mil doses em um único dia, e o avanço do cronograma de imunização ocorre à medida que as doses são enviadas pelo Ministério da Saúde ao governo estadual, responsável por distribuir os lotes do imunizante aos municípios.

Confira detalhes da vacinação contra a covid-19 no Painel Covid-19 Curitiba.

Semana começa com 10.733 vagas ofertadas nas Agências do Trabalhador do Paraná

As 216 Agências do Trabalhador e postos avançados no Paraná abrem a semana com a oferta de 10.733 vagas. O grande número de vagas com carteira assinada reflete a retomada da economia do Estado com a redução dos números da pandemia e também com as vagas temporárias abertas no comércio, serviços e indústria no final de ano.

Nas agências de Curitiba e Região Metropolitana estão sendo ofertadas 2.044 vagas. As principais são para operador de telemarketing, com 335 ofertas, e para auxiliar de linha de produção são outras 216 oportunidades.

Nas Agências do Interior do Estado o destaque é a regional de Toledo, no Oeste, com 1.494 vagas, a maioria para auxiliar de linha de produção – 523. A regional de Cascavel (Oeste) oferece 1.285 empregos, sendo as principais vagas para auxiliar de linha de produção, com 337 oportunidades.

De acordo com o secretário estadual da Justiça, Família e Trabalho, Ney Leprevost, a gestão do governo Carlos Massa Ratinho Junior tem se esforçado para estabelecer parcerias com as empresas para aumentar a empregabilidade no Estado.

“Gerar empregos é uma obsessão da nossa gestão. O emprego é o melhor programa social que um governo pode oferecer aos seus cidadãos. O emprego dá autonomia para que o trabalhador possa levar o sustento para a sua casa, sem depender de programas sociais”, afirma Leprevost.

ATENDIMENTOS – Os interessados em alguma das vagas ofertadas devem buscar orientações junto à Agência do Trabalhador do município. Na Capital, a Agência do Trabalhador de Curitiba voltou a atender o público de forma presencial, das 9h às 17h. Para evitar aglomeração, e respeitando todas as orientações das autoridades sanitárias, a sugestão é agendar um horário. Os interessados devem fazer o agendamento pelo site da secretaria através deste LINK.

Confira AQUI as principais vagas por regional