Conheça a Baconoffi: a Banoffi com Bacon inspirada em sanduíche de Elvis Presley

Criada pela chef Renatta Ferian e inspirada em receita do Rei do Rock, torta combina dois sabores inusitados e resulta em uma iguaria que chama atenção no visual e no paladar

Ninguém duvida da criatividade do brasileiro, especialmente quando o assunto é gastronomia. Diariamente conhecemos combinações de sabores que, inicialmente, causam estranheza, mas que por muita vezes acabam gerando curiosidade e até caindo no gosto das pessoas. Agora, existe um novo candidato para conquistar o paladar de quem gosta de experimentar a mistura de um doce muito famoso com um salgado adorado de forma quase unânime: o que acha de uma Banoffi com Bacon, ou melhor, uma Baconoffi?

Essa é a invenção mais recente da confeiteira Renatta Ferian, que comanda a doceria Banoffi em Curitiba. Conhecida por ser a precursora em popularizar o doce inglês na capital paranaense no início dos anos 2000, a chef patisserie desenvolveu a receita usando como base um dos pratos favoritos do cantor Elvis Presley. “O Rei do Rock adorava preparar um sanduíche com pasta de amendoim, banana e bacon. Quando fiquei sabendo da história, foi inevitável pensar em uma receita para homenageá-lo usando com base da Banoffi”, explica Renata.

Segundo ela, foram necessárias fazer algumas adaptações para garantir que os sabores tivessem uma combinação adequada. “Para a base da massa, usamos amendoim. Além disso, finalizamos com caramelo salgado. Essas alterações permitiram uma harmonização melhor dos ingredientes da Banoffi com o sabor defumado e salgado do bacon”, explica a cozinheira.

Renatta explica ainda que antes de lançar a Baconoffi, pediu a opinião de pessoas próximas sobre a combinação e foi fazendo ajustes até chegar ao resultado ideal. “Como é uma combinação improvável, foram vários testes até chegar ao resultado ideal. Mas posso dizer que foi uma missão deliciosa chegar ao melhor sabor”, explica a confeiteira. De acordo com ela, a torta pode ser consumida na própria confeitaria ou em casa, pedindo pelo site (banoffi.com.br) ou retirando na loja. É possível comprar apenas a fatia (R$ 14) ou a torta inteira (R$ 105).

Infelizmente, apenas quem estiver em Curitiba poderá experimentar a iguaria, por um tempo limitado. “Por questões logísticas e para preservar o frescor do produto, não conseguimos para outras cidades ou estados”, explica Renatta. Mas a confeiteira afirma que, se a torta fizer sucesso, nada impede que a Baconoffi passe a fazer parte do cardápio de maneira vitalícia. “Tudo vai depender da aceitação. Se muita gente começar a pedir, podemos até avaliar alguma maneira de disponibilizar a torta em outras localidades do Brasil”, destaca a doceira.

SOBRE A CHEF RENATTA FERIAN

Atualmente, pedir por uma Banoffi em Curitiba é algo normal, corriqueiro de muitos amantes da sobremesa inglesa. Mas há 18 anos, isso era muito diferente. Pouquíssimos curitibanos conheciam a torta de nome extravagante. Coube à chef confeiteira Renatta Ferian o desafio de popularizar o doce à época na capital paranaense.

Depois de ter conhecido a receita original no período em que trabalhou em um restaurante de Londres, a cozinheira passou a produzir a Banoffi na cidade e batizou inclusive a sua confeitaria com o mesmo nome da torta. Em 2002, conquistou o seu primeiro ponto de venda: o tradicional restaurante curitibano Beto Batata. Depois disso, só sucesso: foram vários prêmios recebidos, como o de Melhor Doceria pela revista Veja Comer & Beber e o de Melhor Sabor Popular de Curitiba, pelo Prêmio Bom Gourmet.

Hoje, com uma unidade física localizada ao lado da Cantina do Délio, a doceria é reconhecida como um dos principais endereços curitibanos para quem gosta de um doce autêntico e original. “Eu ainda faço questão de assinar cada fatia ou cada banoffi inteira que sai da minha cozinha, afinal a história da Banoffi é também a história da nossa família. O Délio (dono da cantina e marido da Renata) sempre fez o prato principal e eu a sobremesa, dinâmica que temos hoje mais do que nunca. Ficamos muito felizes em saber que hoje esse é um doce tão querido pelos curitibanos”, afirma a chef Renatta.

Crédito: Fernando Smak.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Restaurante curitibano vence maior concurso de comida a quilo do mundo

Promovido pela Abrasel e pela Revista Prazeres da Mesa, a 4ª edição do concurso “O Quilo é Nosso” consagrou o restaurante Tomilho Cozinha Cotidiana como grande vencedor

O título de “melhor no que faz” pode significar muito para a divulgação de um negócio. Principalmente se for um troféu nacional, com o respaldo de instituições que são referência no setor. Essa é a oportunidade que tiveram os restaurantes que chegaram a final da  4ª edição do “O Quilo é Nosso”, concurso que elege, anualmente, o melhor restaurante de comida a quilo no Brasil por meio do voto popular e da avaliação de um júri especializado. Em 2020, o evento tem uma função ainda mais significativa: valorizar o segmento na retomada das atividades e mostrar como os restaurantes estão preparados para atender de forma segura neste modelo de serviço, originalmente brasileiro.

Composto por três etapas, o concurso exigia que os empreendimentos participantes criassem uma receita especial, que foi oferecida ao público e avaliada por jurados que visitaram os restaurantes. Os mais bem avaliados participaram das finais estaduais. No Paraná, a final reuniu os 6 estabelecimentos mais bem classificados entre os 17 inscritos no estado que foram avaliados nos quesitos: ambiente, atendimento, limpeza, qualidade geral do buffet, receita e  adequação às normas de prevenção à COVID-19. Os estabelecimentos mais bem colocados nas etapas estaduais avançaram para a final nacional que definiu o título de melhor restaurante de comida a quilo do país.

O grande vencedor da quarta edição do concurso foi o restaurante Tomilho Cozinha Cotidiana, da cidade de Curitiba (PR). O estabelecimento concorreu com os vencedores dos demais estados participantes e conquistou o 1º lugar na final nacional realizada no Rio de Janeiro, no último dia 17 de novembro. Cada participante preparou sua receita para uma banca de jurados, escalada pela revista Prazeres da Mesa e foram  avaliados por chefs e especialistas em gastronomia. O estabelecimento curitibano conquistou o paladar dos jurados e de ganhou a chancela de melhor do Brasil, com uma receita exclusiva de Dumpling de Tilápia.

Mais informações no site www.abrasel.com.br. Acompanhe também as novidades no Instagram no evento @oquiloenosso.

Armazém Colônia lança em Curitiba o Panuozzo, sanduíche que é sucesso na Itália

Já ouviu falar do panuozzo? É um dos pratos preferidos dos moradores da cidade italiana de Nápoles, famosa mundialmente por suas pizzas. Trata-se de um sanduíche preparado com massa de pizza assada na hora e recheado com os mais diversos ingredientes. Pois agora você pode saborear esse sanduíche incrível aqui mesmo, em Curitiba, preparado como na Itália. O Armazém Colônia, primeiro restaurante da cidade a servir as autênticas pizzas napolitanas, acaba de lançar seu cardápio de Panuozzos (pronuncia-se panutzos). 

“Somos pioneiros em Curitiba nas pizzas napolitanas, consideradas Patrimônio Imaterial da Humanidade pela Unesco. Agora apresentamos o Panuozzo, a comida de rua italiana, prática e bem servida”, explica Mauro Sfair, proprietário do Armazém Colônia. Ele lembra que o sanduíche é muito leve, pois a massa feita no padrão napolitano leva apenas farinha 00, água mineral, sal marinho e levain, sendo de fácil digestão.

Os sabores são fartos e variados, seguindo as receitas das coberturas das pizzas, e incluem opções vegetarianas e veganas. Entre as opções estão o de Pepperoni (molho, mozzarella, parmesão e pepperoni), Zucchine (molho, mozzarella, gorgonzola, abobrinha, alho poró e tomate cereja), Quatro Queijos com Blumenau (mozzarella, parmesão, provolone, gorgonzola e linguiça blumenau),   da Casa (mozzarella, abobrinha, tomate, linguiça blumenau, provolone e orégano) e nas versões doces, Nutella com morango e Banana com doce de leite. A pedido do cliente, o queijo animal pode ser substituído por queijo vegano.  Os preços variam de R$ 22 a R$ 30.

O cardápio de Panuozzos está disponível também na hora do almoço, como as pizzas, no restaurante ou por delivery. ”Na Itália não existe hora para comer pizzas e panuozzos”, lembra Sfair. O restaurante atende das 9h às 23h, de segunda a sábado. Aos domingos e feriados, das 16h30 às 23h. 

Sobre o Armazém Colônia

O Armazém Colônia Forneria e Pizzaria surgiu em 1996, como uma pequena mercearia.   Em 2015, o curitibano Mauro Sfair adquiriu o restaurante e, após ampla pesquisa de mercado, resolveu abrir em período integral como pizzaria napolitana. Neste período de pandemia, mantém um buffet de segunda a sábado em versão reduzida, porém pizzas e panuozzos o dia todo são o foco da casa, que em breve vai estrear um novo endereço. 

Alheia aos modismos, a casa oferece um serviço familiar e artesanal. Mauro Sfair é jornalista e advogado, morou em vários lugares, atuou por muitos anos em jornais de Curitiba, Cascavel, Porto Velho (Rondônia) mas acabou voltando-se para o ramo gastronômico. Aprendeu sobre as pizzas de Nápoles com um dos pizzaiolos mais famosos do mundo, Jaqueson Dischoff, que lhe apresentou a longa fermentação natural e seus benefícios para a saúde, sabores, digestibilidade e muitos segredos para se fazer a verdadeira pizza napolitana. “Antes da pandemia, fui a Nápoles onde, com a indicação do mestre Jaqueson, conheci os mais antigos e melhores pizzaiolos do planeta, e de onde voltei empolgado e mais preparado para fazer as pizzas napolitanas – e os panuozzos”, conta Mauro. Foi assim que nasceu o novo prato do Armazém Colônia. 

Serviço:

Armazém Colônia

Av. Vicente Machado, 1168 – Batel 

Delivery: Rappi, ifood, ubereats, 99food

Pedidos diretos: (41) 3024 3737 e 3024 3631

Instagram: @armazem.colonia