Confira os destaques do 9º Olhar de Cinema – Festival de Curitiba

O 9º Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba acontece em um formato diferente este ano, de 7 a 15 de outubro. Ser online é uma novidade, mas a inspiração e o cuidado da seleção de filmes continuam os mesmos, com o diferencial de que nesta edição todo o país tem a oportunidade de conhecê-la. 

A Mostra Outros Olhares mescla em sua seleção longas e curtas-metragens ainda inéditos e filmes que já possuem uma trajetória em festivais e mostras internacionais recentes. São várias propostas, estilos, linguagens e abordagens feitos em torno de uma série de extremidades que reflete o mundo atual.

Fazem parte da seleção de longas-metragens os brasileiros inéditos O Índio Cor de Rosa, de Tiago Almeida, e A Flecha e a Farda, de Miguel Antunes Ramos, além de O Reflexo do Lago, que esteve na seleção Festival de Berlim. Da Berlinale também chegam o indiano Crônica do Espaço, de Akshay Indikar, a co-produção França, Bélgica e Burkina Faso, Traverser (Após a Travessia), dirigido por Joël Akafou, e o longa argentino Responsabilidade Empresarial, de Jonathan Perel. 

Do FIDMarseille chega a co-produção Eslovênia e República Tcheca, Oroslan, de Matjaz Ivanisin, do NY Film Festival vem Trouble, uma co-produção entre Estados Unidos e Reino Unido dirigida por Mariah Garnett e, por fim, o longa chileno Visão Noturna, dirigido por Carolina Moscoso Briceño.

Curtas de todos os lugares

A seleção de curtas-metragens também traz um recorte na nova produção brasileiro, com os títulos Manual do Zueiro Sem Noção, de Joacelio Batista; Memby, de Rafael Castanheira Parrode e Rafameia, de Mariah Teixeira e Nanda Felix. Representantes de vários outros países também estão na seleção, como Irã, Argentina, Camboja, Cuba e Rússia.

Sobre o Olhar de Cinema

O Olhar de Cinema é um festival que busca destacar e celebrar o cinema independente produzido no mundo. São propostas estéticas inventivas, envolventes e com comprometimento temático, que abrange desde a abordagem de inquietações contemporâneas acerca do micro universo cotidiano de relacionamentos, até interpretações e posicionamentos sobre política e economia mundial.

A seleção apresenta ao público filmes que se arriscam em novas formas de linguagem cinematográfica, que estão abertos ao experimentalismo e que, ainda assim, possuem um grande potencial de comunicação com o público.

Nesta edição, serão seis mostras: Mostra Competitiva, Novos Olhares, Outros Olhares, Olhares Brasil, Exibições Especiais e Mirada Paranaense.

O 9º Olhar de Cinema – Festival Internacional de Cinema conta com apoio da Copel, Governo do Estado do Paraná, Ademilar, Lojacorr, incentivo da Lei de incentivo à cultura, Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura de Curitiba e PROFICE.

Confira a lista completa de selecionados para a mostra:

OUTROS OLHARES

Longas-metragens

Oroslan (Oroslan, Eslovênia, República Tcheca, 71 min.), de Matjaz Ivanisin

Responsabilidade Empresarial (Responsabilidad Empresarial. Argentina, 68 min.), de Jonathan Perel

Quem Tem Medo de Ideologia? (Who Is Afraid of Ideology?, Líbano, Siria, Curdistão iraquiano, 57 min.), de Marwa Arsanios;

Traverser (Após a Travessia) (Traverser [After the Crossing], França, Bélgica, Burkina Faso, França, Bélgica, Burkina Faso, 77 min.), de Joël Akafou;

Crônica do Espaço (Sthalpuran [Chronicle of Space], Índia, 86 min.) de Akshay Indikar;

Trouble (Estados Unidos, Reino Unido, 82 min.), de Mariah Garnett;

O Reflexo do Lago (Brasil, 80 min.), de Fernando Segtowick.

O índio Cor de Rosa (Brasil, 71 min.), de Tiago de Almeida.

A Flecha e a Farda ( Brasil, 90 min.), de Miguel Antunes Ramos.

Visão Noturna (Visión nocturna, Chile, 80 min.), de Carolina Moscoso Briceño

Curtas-metragens

Manual do Zueiro Sem Noção (Brasil, 16 min.) de Joacelio Batista;

Memby (Brasil, 15 min.) de Rafael Castanheira Parrode;

Rafameia (Brasil, 24 min.) de Mariah Teixeira, Nanda Felix;

Inner Self (Nahan, Irã, 15 min.) deMohammad Hormozi;

Playback. Ensaio de uma Despedida (Playback. Ensayo de una despedida, Argentina, 14 min.) de Agustina Comedi;

Alienígena (REONGHEE, África do Sul, 15 min.) de Jegwang Yeon;

Sonho Californiano (Soben California, Cambodja, 16 min.) de Sreylin Meas;

Garotas Crescem Desenhando Cavalo (Girls grow up drawing horses, EUA, 7 min.) de Joanie Wind;

Mary, Mary, So Contrary (Singapura, 15 min.) de Nelson Yeo;

As Chamas do Sol (Las llamas del sol, Espanha, 12 min.) de Pepe Sapena;

Botões Dourados (Zolotye Pugovitzi (The Golden Buttons), Russia, 19 min.), de Alex Evstigneev;

Os Meninos Lobos (Los niños lobos, Cuba, 18 min.) de Otávio Almeida;

Rio Solitários (Lonely Rivers, Espanha, França, 28 min.) de Mauro Herce.

SERVIÇO


9º Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba

De 7 a 15 de outubro

No site do Olhar de Cinema


R$ 5 por filme

Dinâmica das sessões

Os filmes serão exibidos no próprio site do Olhar de Cinema. Cada título estará disponível até às 23h59 da data divulgada na programação. A venda de ingressos para todas as sessões começa no dia 23 de setembro e o número de ingressos para cada filme é limitado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

De Dona Hermínia à Senhora dos Absurdos: relembre personagens de Paulo Gustavo

Em sua carreira, o ator Paulo Gustavo, que morreu na noite desta terça-feira (4) aos 42 anos, de problemas decorrentes da covid-19, tornou-se conhecido principalmente pelo personagem Dona Hermínia, a elétrica e dominadora dona de casa que surgiu no teatro e logo se tornou um sucesso absoluto no cinema. Paulo Gustavo, porém, criou outros tipos, igualmente engraçados e sempre trazendo as peculiaridades de seu humor – que conseguia unir ingenuidade com picardia e crítica social.

Veja os principais personagens criados por Paulo Gustavo

Dona Hermínia

Inspirada em tias, avós, mas principalmente em Dea Lúcia, sua mãe, a personagem surgiu pela primeira vez em 2004, na peça Surto. O sucesso foi tamanho que instigou Paulo Gustavo a criar o espetáculo Minha Mãe é uma Peça, em 2006, que rendeu ainda três adaptações para o cinema (2013, 2016 e 2019), todas grandes sucessos de bilheteria. Trata-se de uma típica dona de casa que, sempre à beira de um ataque de nervos, toma as atitudes mais engraçadas. Com essa personagem, Paulo Gustavo conseguiu a proeza de um homem interpretar uma mulher ser bem aceito por boa parte da população.

Senhora dos Absurdos

Sucesso no programa 220 Volts, do canal Multishow, a personagem ganhou fama justamente por comentários absurdos, que revelam preconceito de raça e sexo. Paulo Gustavo dizia que tinha criado esse tipo para debochar da intolerância e da cultura do ódio. “Meu intuito é fazer rir, mas sabendo que o riso também é um modo de abordar temas controvertidos e incômodos da sociedade”, disse, em uma publicação no Facebook, em 2017.

Valdomiro Lacerda

Era o protagonista do programa Vai que Cola, do Multishow, que se passa em uma pensão. Seu objetivo é se esconder lá da Polícia Federal, que o procura por conta de uma falcatrua na qual ele se tornou o único culpado. Aqui, novamente, Paulo Gustavo exerce o humor como caminho para crítica social, pois Valdo, como é conhecido, se considera superior em relação aos outros hóspedes, além de menosprezar o Méier, bairro do subúrbio do Rio, e de se lamentar por não morar no Leblon.

Aníbal

Paulo Gustavo tinha a atriz Mônica Martelli como uma de suas melhores amigas. Juntos, fizeram filmes como Minha Vida em Marte, no qual o ator viveu Aníbal, grande apoiador de Fernanda (Mônica), que sofre com problemas no relacionamento. Para consolá-la, Aníbal a leva para Nova York, onde passeiam por lugares icônicos da cidade. O local serviu também para que Paulo Gustavo demonstrasse sua dificuldade em falar em inglês. As filmagens, apesar de divertidas, foram atribuladas pois, realizadas em locações, eram constantemente interrompidas, pois as pessoas reconheciam o ator e gritavam seu nome.

Mulher Feia

Outro personagem que surgiu e se popularizou no programa 220 Volts, além de participação no Vai que Cola. Uma vez mais, Paulo Gustavo utiliza o bom humor para fazer mais uma crítica social. Mulher Feia conta histórias que dizem respeito à sua aparência, se lamentando pelos homens que a abandonam. O curioso é que seus relatos, apesar de muitas vezes absurdos, são narrados de uma forma até inocente.

“Nomadland – Sobreviver na América” leva 3 principais prêmios do Oscar

[ad_1]

O filme Nomadland – Sobreviver na América ganhou o Oscar de melhor filme, melhor realização e melhor atriz para Frances McDormand. A cineasta Chloé Zhao torna-se assim a segunda mulher na história a receber o prêmio de melhor realizadora. A 93ª cerimônia dos prêmios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas ocorreu, na noite deste domingo (25), na Estação Union Station, em Los Angeles, e no Dolby Theatre, em Hollywood, com restrições devido à pandemia de covid-19.

Nomadland – Sobreviver na América era o maior favorito e cumpriu os prognósticos, vencendo nas principais categorias do Oscar, entre elas a de melhor direção, com a estatueta entregue à cineasta sino-americana Chloé Zhao. Ela é a segunda mulher a conquistar esse Oscar, depois de Kathryn Bigelow, em 2010, com Estado de Guerra.

93rd Academy Awards

Vencedoras do Oscar 2021 – REUTERS/Chris Pizzello/Direitos Reservados

É fabuloso ser uma mulher em 2021″, afirmou Chloé Zhao ao comemorar a vitória.

“Sou extremamente afortunada por poder fazer o que gosto”, acrescentou a cineasta nos bastidores da cerimônia de entrega do Oscar, na madrugada de hoje (26). “Se esta vitória ajudar mais pessoas como eu a viverem os seus sonhos, sou muito agradecida por isso”.

Nomadland – Sobreviver na América, considerado o melhor filme, conta a história de uma mulher – Fern, interpretada por Frances McDormand – que viaja pela América como nômade. Vive numa caravana, trabalha em empregos temporários e sobrevive na estrada, na sequência da crise econômica de 2008.

Ao receber o prêmio, Chloé Zhao dedicou-o “a todos aqueles que tiveram a fé e a coragem de se agarrar à bondade em si próprios e nos outros”.

Embora o filme seja uma ficção, inclui testemunhos reais de norte-americanos que vivem na estrada, sempre em trânsito, numa comunidade nómade mais envelhecida e às margens da sociedade. O filme contou inclusive com nômades da vida real.

“Um dos momentos mais felizes para mim esta noite foi quando a Frances [McDormand] ganhou”, disse Chloé Zhao aos jornalistas. “As pessoas podem não saber tudo o que ela fez, como produtora e como atriz, quão aberta e vulnerável foi e quanto me ajudou a fazer este filme. E como ajudou os nômades a sentirem-se confortáveis nas gravações. Ela é ‘Nomadland'”.

Com esse Oscar, Frances McDormand entrou no pequeno grupo de atrizes com mais de duas estatuetas da academia, juntando-se a Meryl Streep e Ingrid Bergman (três Oscars, cada), e a Katharine Hepburn (quatro). Ela conseguiu ainda vencer a indicação de melhor atriz, depois de Fargo (1996) e de Três Cartazes à Beira da Estrada (2018).

Indicado para sete estatuetas, o filme Nomadland completa um percurso de sucesso nos últimos meses, depois de ter ganhado quatro prêmios Spirit, os chamados Oscars do cinema independente: melhor filme, melhor realização, melhor montagem e melhor fotografia.

Por The Father, o britânico Anthony Hopkins, que não esteve presente à cerimônia, conquistou o segundo Oscar de melhor ator, 30 anos após a sua premiação pelo papel em O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme.

Veja, a seguir, os ganhadores do Oscar 2021:

Melhor Filme
Nomadland
Melhor Ator
Anthony Hopkins, por Meu Pai
Melhor Atriz
Frances McDormand, por Nomadland
Melhor Direção
Chloé Zhao, por Nomadland
Melhor Ator Coadjuvante
Daniel Kaluuya, por Judas e o Messias Negro
Melhor Atriz Coadjuvante
Yuh-Jung Youn, por Minari
Melhor Roteiro Adaptado
Christopher Hampton, Florian Zeller, por Meu Pai
Melhor Roteiro Original
Emerald Fennell, por Bela Vingança
Melhor Filme Internacional
Durk – Dinamarca
Melhor Fotografia
Mank
Melhor Documentário
My Octopus Teacher
Melhor Documentário em Curta-Metragem
Colette
Melhor Curta-Metragem
Two Distant Strangers
Melhor Animação
Soul
Melhor Curta de Animação
If Anything Happens I Love You
Melhor Canção Original
Fight For You (Judas e o Messias Negro)
Melhor Trilha Sonora Original
Soul
Melhor Edição
O Som do Silêncio
Melhor Figurino
A Voz Suprema do Blues
Melhor Cabelo e Maquiagem
A Voz Suprema do Blues
Melhor Edição de Som
O Som do Silêncio
Melhor Design de Produção
Mank
Melhores Efeitos Visuais
Tenet

* Com informações da RTP – Rádio e Televisão de Portugal