Concessão do Aeroporto Afonso Pena permitirá voos diretos para Europa e Estados Unidos

A concessão do Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba, consolida um sonho antigo dos paranaenses: garante a construção da terceira pista ao terminal internacional que atende a capital. Obra significativa para a independência do complexo, traz como reflexo imediato a perspectiva de aumento na movimentação de passageiros com a abertura de voos diretos para Europa e Estados Unidos, acabando com a necessidade de conexão em outras capitais do País.

“É uma demonstração de que o Paraná vem se desenvolvendo na infraestrutura como um todo, incluindo a aeroportuária, que também é importante para o desenvolvimento do turismo no nosso Estado, que é muito forte. Temos essa vocação e agora, com essa força dos aeroportos, ela ganha mais musculatura”, destacou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

É, também, um salto na logística do Paraná. É por esse novo equipamento, projetado para ter 3 mil metros de comprimento e maior capacidade para receber e enviar cargas, que o setor produtivo do Estado espera intensificar o comércio para o exterior.

O Afonso Pena conta atualmente com duas pistas: a principal com 2.218 metros de comprimento e a auxiliar com 1.798 metros. Devido à altitude do aeroporto, de mais de 900 metros, os aviões operam com restrições, especialmente na decolagem.

“Essa obra vai impulsionar, ainda mais, o agronegócio paranaense. Hoje muitos produtos já são exportados por via aérea em função das suas características. A terceira pista, que será mais longa que as duas atuais, vai permitir que aviões maiores, inclusive cargueiros, possam operar no Afonso Pena”, afirmou o presidente do Sistema Federação da Agricultura do Paraná (Faep), Ágide Meneguette.

Ele cita como exemplo a venda de tilápias para os Estados Unidos. Semanalmente, uma carga com cerca de 800 quilos de filé resfriado do peixe sai das cooperativas localizadas no Oeste do Paraná com destino a Miami.

O processo, porém, passa necessariamente pelo terminal de Guarulhos, em São Paulo. Rota que pode ser adaptada com a modernização do aeroporto de Curitiba. “O agronegócio do Paraná vai ganhar em qualidade e quantidade com essa obra, que há tanto tempo era requisitada pelo setor produtivo estadual”, destacou o dirigente.

O Aeroporto Internacional Afonso Pena era o único das capitais da Região Sul que ainda não tinha sido privatizado. A previsão é que ele receba R$ 566,2 milhões de investimentos nos próximos 30 anos. Além da construção da terceira pista, estão previstas, também, ampliação da área de embarque de passageiros e do pátio principal, a construção de um novo pátio e a criação de uma ponte de embarque, entre outras ações, divididas em três fases de execução.

“Mantemos contato com envio de produtos para mais de 120 países hoje em dia. Essa pista vem para facilitar muito a vida de quem exporta. A médio e longo prazo o impacto será muito grande em toda a cadeia no comércio internacional”, avaliou José Roberto Ricken, presidente-executivo do Sistema Ocepar e coordenador do G7, grupo que representa as lideranças do setor produtivo paranaense.

Mercosul

Presidente da Associação Comercial do Paraná (ACP), Camilo Turmina ressaltou que a ampliação de capacidade do principal terminal paranaense vai transformar a região de Curitiba na porta de entrada do Mercosul. “Faltava esse aprimoramento mesmo. A obra cria oportunidades aqui e coloca a cidade definitivamente no roteiro internacional como o principal ponto dos países que formam o Mercosul”, disse.

De acordo com estudos da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Curitiba influencia diretamente mais de 650 municípios, com impacto direto em polos importantes de Paraná e Santa Catarina. Fechou 2019, o último ano antes da pandemia da Covid-19, como 12º aeroporto mais movimentado do País com 6,3 milhões de passageiros em 64 mil operações. Além disso, foram outras 29 mil toneladas de cargas transportadas.

“A inclusão da terceira pista como requisito para a concessão é resultado do trabalho da sociedade civil organizada em parceria com o Governo do Estado. Foram muitas reuniões técnicas que terminaram por convencer o Governo Federal. Teremos agora ligações intercontinentais partindo do Afonso Pena”, ressaltou o presidente do Movimento Pró-Paraná, Marcos Domakoski.

Leilão

Além do Afonso Pena, outros três aeroportos paranaenses foram a leilão nesta quarta-feira (07) na B3: os terminais de Foz do Iguaçu, o de Londrina e o Bacacheri, de Curitiba. Eles integraram o chamado Bloco Sul, arrematado por R$ 2,128 bilhões, um ágio de 1.534% da proposta inicial mínima de R$ 130,2 milhões. O lance foi dado pela Companhia de Participações em Concessões, do grupo CCR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pagamento do IPVA 2021 será retomando nesta quinta-feira

O pagamento do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2021 será retomado nesta quinta-feira (22), com o início do vencimento da terceira parcela, seguindo a ordem do final das placas até o dia 28 de abril.

No mês passado os proprietários de veículos no Paraná ganharam uma folga no pagamento do imposto. Em razão do acirramento da pandemia da Covid-19, a Secretaria da Fazenda postergou em um mês o vencimento das parcelas.

Assim, as três parcelas restantes tiveram seus prazos adiados em um mês: a terceira, que deveria ser paga em março, teve seu prazo postergado para abril, e assim sucessivamente até a quinta e última parcela, em junho. Enquanto em muitos estados a cobrança já foi feira em sua integralidade, os contribuintes paranaenses ganharam mais três meses para a quitação.

O objetivo do adiamento foi de oportunizar ao contribuinte a manutenção de suas obrigações tributárias com o Estado, considerando a vigência do Decreto nº 4.319, de 23 de março de 2020, que declarou estado de calamidade pública, e as medidas restritivas visando o enfrentamento da emergência de saúde pública do Decreto nº 6.983, de 26 de fevereiro de 2021.

A proposta não acarreta renúncia de receita, mas apenas o deslocamento dos vencimentos parcelados do IPVA 2021. Os demais critérios previstos na legislação, como acréscimos financeiros e quantidade de parcelas permaneceram os mesmos.

COMO PAGAR 

Em dezembro do ano passado, a Secretaria da Fazenda autorizou o pagamento do IPVA 2021 em até cinco parcelas mensais – até então, o parcelamento máximo era de três meses. O aumento das parcelas foi implementado para facilitar a vida do contribuinte paranaense tendo em vista as dificuldades causadas pela continuidade da pandemia do coronavírus.

Importante lembrar que os contribuintes não receberão boleto para efetuar o pagamento, nem qualquer outro tipo de correspondência. Para emitir a guia, basta acessarhttp://www.fazenda.pr.gov.br/ipva. É preciso ter em mãos o número do Renavam, que consta no Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos (CRLV)

Apenas com o número do Renavam também é possível pagar o imposto diretamente nos caixas ou canais de atendimento de sete bancos credenciados: Banco do Brasil, Itaú, Santander, Bradesco, Sicredi, Banco Rendimento e Bancoop.

A quitação do IPVA é requisito obrigatório para emissão certificado de licenciamento de veículo pelo Detran/PR.

Confira o calendário atual do IPVA 2021.

Com objetivo de facilitar a integração metropolitana, Ratinho Junior e Greca debatem obras na Linha Verde

Dois novos viadutos, uma estação de integração e duas trincheiras fazem parte de um novo pacote de investimentos que o Governo do Estado e a Prefeitura Curitiba estão planejando executar na Linha Verde nos próximos anos. O objetivo é melhorar o trânsito, o transporte no eixo viário e facilitar a integração metropolitana. Os projetos foram discutidos nesta sexta-feira (16), no Palácio Iguaçu, pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior e pelo prefeito de Curitiba, Rafael Greca.

O encontro marcou a entrega dos primeiros projetos executivos das transposições da Linha Verde. São duas trincheiras na estação São Pedro orçadas em R$ 59,9 milhões. A Prefeitura de Curitiba investiu R$ 791.632,59 nos projetos executivos, que foram encaminhados ao Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR) e podem ser licitados em breve.

Governador Carlos Massa Ratinho Junior durante reunião com o prefeito de Curitiba, Rafael Greca – Curitiba, 16/04/2021 – Foto: Jonathan Campos/AEN

As obras melhorarão a integração viária dos bairros do Xaxim, Sítio Cercado e de todo o entorno da estação São Pedro, atendida por ônibus biarticulados e linhas alimentadoras. Há expectativa de beneficiar a rotina diária de 3,7 milhões de paranaenses.

O projeto pode ser executado com apoio do Governo do Estado, parte a fundo perdido e parte pelo Sistema de Financiamento aos Municípios (SFM), operacionalizado pela Fomento Paraná e pelo Paranacidade, da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas.

“Trouxe para o governador os projetos finais de engenharia das duas transposições da Linha Verde que ligam a Vila São Pedro e o Xaxim, a região do Bairro Novo e do Sítio Cercado, com o Capão Raso, o Portão e o Centro. Essas duas trincheiras ficam sob a estação de ônibus da Linha Verde”, disse o prefeito Rafael Greca. “Aos poucos o nosso sonho de futuro – obras metropolitanas que unam Curitiba, o Governo do Estado e os outros municípios – vai se tornando realidade”.

“É um trabalho integrado e uma soma de esforços. Curitiba precisa dessas obras, que beneficiarão, também, os outros municípios da Região Metropolitana”, destacou Ratinho Junior. Ele ressaltou que os projetos representam um grande passo na consolidação da parceria entre a Prefeitura de Curitiba e o Governo do Estado no processo de reestruturação da Linha Verde, importante corredor de transporte da Capital e eixo metropolitano de desenvolvimento da Grande Curitiba. Também é um projeto comum de recuperação econômica com obras públicas.

PROJETO – As trincheiras da Linha Verde possibilitarão a passagem ininterrupta de cerca de 2,5 mil veículos por hora e sentido. O cruzamento da via passará a ser feito em nível, com o compartilhamento do sistema de transporte, sem prejuízo para os ônibus e com mais segurança. Haverá outras alterações viárias nas áreas lindeiras da estação São Pedro.

A trincheira que liga as ruas Osmar Raymundo Picheth e Marechal Althair Roszanniy, no sentido único Xaxim/Capão Raso, terá uma passagem inferior de 90 metros de comprimento. A trincheira que liga as ruas Barão de Santo Ângelo e Ipiranga, também em sentido único, terá 60 metros de comprimento. Serão duas faixas de rolamento em cada, com passagem de pedestres.

VIADUTO EM Y – A Prefeitura de Curitiba também apresentou o projeto de engenharia do viaduto em Y sobre a Linha Verde que vai ligar a Avenida Wenceslau Braz e a Rua Escritora Lourdes Strozzi, prolongamento da Desembargador Westphalen, à região do Boqueirão, pela Rua Tenente Francisco Ferreira de Souza. Ele será paralelo ao viaduto da Avenida Marechal Floriano, que será transformado numa grande estação de integração multimodal de transporte.

Na ligação bairro-Centro, completando o trinário de viadutos por cima da Linha Verde, o viaduto da Anne Frank ligará o Boqueirão ao Rebouças e ao Centro da cidade pela Rua Aloísio Finzetto. O viaduto terá 125 metros de comprimento, com três faixas de rolamento, além de passeio para pedestres.

Com pista exclusiva aos ônibus, o viaduto da Marechal contará também com ciclovia e passagem para pedestres, para integração segura entre os diversos modais. A nova estação de transporte atenderá sete linhas ônibus que cortam a região e levam, em média, 220 mil passageiros por dia.

O projeto executivo do viaduto em Y ainda está sendo realizado e será entregue em julho para a Prefeitura, ainda sem estimativa de custo da obra.