Com capacidade reduzida e uso de máscara, IAT estabelece regras para entrada nos parques estaduais

Publicidade
Publicidade

Entrada apenas pelas portarias oficiais, com cadastro e uso de máscaras são algumas exigências para quem visita os Parques Estaduais do Paraná. Desde o início das medidas de segurança sanitária e do isolamento social, propostos pela Organização Mundial da Saúde (OMS), aumentou a procura por informações sobre atrativos em Unidades de Conservação (UCs) do Estado.

Ao todo, são 21 Parques Estaduais para visitação abertos ao público no Paraná, porém com normas a serem seguidas. As orientações estão na Portaria nº 06/2021, publicada no início do mês pelo Instituto Água e Terra (IAT), órgão vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo.

A Diretoria de Patrimônio Natural do Instituto elaborou, ainda, o Informativo nº 01/2021, com orientações às administrações das Unidades e à população. A fim de evitar transtornos, é indicado que o visitante ligue com antecedência para verificar a disponibilidade de vagas.

A fim de evitar aglomeração, o horário de visitação nas 21 Unidades é das 8h00 às 17h00 e a capacidade máxima de público foi reduzida em 50%.

Ainda de acordo a publicação, é proibida a prática de esportes coletivos nas dependências das UCs, bem como a promoção de eventos. Também estão vetados os acampamentos, fogueiras e comercialização de serviços dentro dos parques.       

“É importante a atenção e o respeito às medidas de combate ao Covid-19 para a segurança de todos. Com o respeito aos protocolos, é possível que as Unidades de Conservação fiquem abertas para que todos possam visitá-las”, afirma o diretor de Patrimônio Natural do IAT, Rafael Andreguetto.

As portarias dos Parques Estaduais devem ter álcool em gel à disposição do público. As administrações devem aumentar a higienização das dependências e medir a temperatura dos visitantes. Turistas com medição de temperatura corporal acima de 37,8ºC terão o acesso negado ao parque.

Todas as medidas exigidas na Portaria nº 06/2021 podem ser consultadas  AQUI

Para consultar o informativo do IAT, basta clicar  AQUI

INFRAÇÃO – Não seguir as determinações impostas pelo órgão ambiental acarreta em infração ambiental prevista no Decreto Federal nº 6.514/08, que dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente.

RMC – Os Parques Estaduais da Região Metropolitana de Curitiba (RMC) e Serra do Mar ficaram fechados por mais tempo devido à grande procura durante a pandemia e os riscos de focos de incêndios causados pela estiagem.

Foto: AEN

O Pico Paraná é um dos mais famosos destinos do país para os entusiastas de montanhismo e do turismo de aventura. São permitidas 200 pessoas simultaneamente nas trilhas.

Parque Estadual Pico do Marumbi Foto: Arnaldo Alves / ANPr.

O Parque Estadual Pico do Marumbi abriga três atrativos: Pico Marumbi, Salto dos Macacos e Morro do Canal. A média de procura, especialmente nos finais de semana, é de 100 pessoas no Pico Marumbi e 100 pessoas no Salto dos Macacos. Para o acesso às trilhas do Morro do Canal, o acesso deve ser feito pela propriedade particular Morro do Canal.

Já no Parque Estadual Serra da Baitaca, 500 pessoas em média procuram a unidade nos finais de semana, após a reabertura no início deste mês. O atrativo mais procurado é o Anhangava, que permite 166 pessoas por dia.

Foto: Harvey FS/IAP

O Parque também abriga o Caminho do Itupava, com capacidade de 314 pessoas por dia para visitação, e o Pão de Loth, com capacidade de 166 pessoas por dia.

Para possibilitar o controle de visitantes, os turistas recebem uma pulseira de identificação que pulseira deve ser colocada em local visível durante todo o tempo de permanência no interior da Unidade de Conservação.

Para saber como chegar e outras informações sobre os Parques do Paraná, clique  AQUI

Confira a lista dos Parques Estaduais abertos a visitação:

Parque Estadual Pico do Marumbi

Parque Estadual do Palmito

Parque Estadual Rio da Onça

Parque Estadual Serra da Baitaca

Parque Estadual do Monge

Parque Estadual de Vila Velha

Parque Estadual do Cerrado

Parque Estadual do Guartelá

Parque Estadual do Lago Azul

Parque Estadual Vila Rica do Espírito Santo

Parque Estadual de Ibicatu

Parque Estadual de São Camilo

Parque Estadual Cabeça do Cachorro

Parque Estadual Rio Guarani

Parque Estadual Pico do Paraná

Parque Estadual Serra da Esperança

Ilha do Mel

Monumento Natural Salto São João

Parque Estadual João Paulo II

Parque Estadual Vitório Piassa.

Informações AEN.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Paraná tem 730 pacientes esperando por leitos para covid-19; 301 precisam de UTI

Publicidade
Publicidade

De acordo com a Sesa, 2.143 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados

Balanço da Secretária Estadual de Saúde do Paraná (Sesa-PR), divulgado na noite desta quarta-feira (3), aponta uma fila de 730 pacientes esperando por leitos para covid-19 no estado. Com o sistema de saúde em colapso, 301 pacientes precisam com urgência da transferência para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

De acordo com a Sesa-PR, pela regulação estadual são 219 pacientes precisando de UTI e 278 de enfermaria. Já na regulação de leitos de Curitiba e região metropolitana, são 82 pacientes precisando de UTI e 151 de enfermaria.

Internados

De acordo com a Sesa, 2.143 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 1.857 pacientes em leitos SUS (785 em UTI e 1.072 em leitos clínicos/enfermaria) e 286 em leitos da rede particular (116 em UTI e 170 em leitos clínicos/enfermaria).Há outros 1.869 pacientes internados, 656 em leitos UTI e 1.213 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos da rede pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Mortes

Nesta quarta-feira, a Sesa-PR A secretaria estadual informa a morte de mais 118 pacientes. São 56 mulheres e 62 homens, com idades que variam de 13 a 94 anos. 11 óbitos ocorreram em 2020 e os demais entre 13 de janeiro a 2 de março de 2021.Os pacientes que foram a óbito residiam em: Curitiba (21), Maringá (13), Paranaguá (7), Altônia (5), Ribeirão Claro (4), Arapongas (3), Colombo (3), Foz do Iguaçu (3), Ponta Grossa (3), Rolândia (3), Apucarana (2), Cascavel (2), Itaperuçu (2), São José dos Pinhais (2), Sarandi (2), Tijucas do Sul (2). A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Andirá, Araucária, Borrazópolis, Campo Bonito, Campo Largo, Candói, Cerro Azul, Cianorte, Clevelândia, Corbélia, Cornélio Procópio, Farol, Fênix, Guarapuava, Guaratuba, Ibiporã, Imbituva, Jaguapitã, Jaguariaíva, Juranda, Londrina, Mandirituba, Matinhos, Mato Rico, Palmeira, Palotina, Pato Branco, Pérola D’Oeste, Pinhais, Pontal do Paraná, Rio Branco do Ivaí, Santa Helena, Santa Terezinha de Itaiupu, Santo Inácio, São Jorge D’Oeste, Terra Boa, Terra Roxa, Toledo, Tupãssi, Umuarama e União da Vitória.O Paraná soma 656.410 casos confirmados e 11.888 mortos em decorrência da doença.

Informações Banda B.

Com adiamento de parcelas, Fazenda divulga novo calendário do IPVA 2021

Publicidade
Publicidade

Em razão do agravamento da pandemia de Covid-19, com a necessidade de suspensão do funcionamento dos serviços e atividades não essenciais, a Secretaria da Fazenda postergou em um mês o vencimento das parcelas vincendas do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). A medida foi anunciada pelo governador Ratinho Junior e oficializada por meio da resolução nº 193/2021, assinada pelo secretário Renê Garcia, que altera a resolução SEFA-IPVA nº 135/2021.

A Secretaria da Fazenda já havia autorizado o pagamento do IPVA deste ano em até cinco parcelas mensais, a partir de janeiro. Até então, o parcelamento máximo era de três meses.

Agora, as três parcelas restantes de 2021 terão seus prazos adiados em um mês. Assim, a terceira parcela, que deveria ser paga em março, terá seu prazo postergado para abril, e assim sucessivamente até a quinta e última parcela, em junho.

O objetivo do adiamento é oportunizar ao contribuinte a manutenção de suas obrigações tributárias com o Estado, considerando a vigência do Decreto nº 4.319, de 23 de março de 2020, que declarou estado de calamidade pública em função da pandemia. Leva em conta, também, as medidas restritivas para o enfrentamento da emergência de saúde pública estabelecidas no Decreto nº 6.983, publicado na última sexta-feira (26).

A proposta não acarreta renúncia de receita, mas apenas o deslocamento dos vencimentos parcelados do IPVA 2021. Os demais critérios previstos na legislação, como acréscimos financeiros e quantidade de parcelas permanecem os mesmos.

Confira o novo calendário do IPVA 2021.

Informações AEN PR.