Cervejarias doam cilindros para armazenar oxigênio no Paraná; cresce fila para UTI

A falta de cilindros para oxigênio, que teve aumento de mais de 100% no consumo em relação a 2020, fez com que alguns donos de cervejarias da região sudoeste do Paraná paralisassem parte da produção e emprestassem os equipamentos para hospitais que atendem pacientes com covid-19.

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) informou que não há desabastecimento nas unidades hospitalares próprias. A situação no Estado tem sido crítica e nesta segunda-feira (15), o Paraná registrava 1.320 pacientes aguardando por transferência, sendo 612 UTI e 708 para enfermarias.

Sobre o fornecimento de oxigênio, a Sesa informa que “o consumo dobrou com um aumento de mais de 100% em toda a rede”. “A Sesa está monitorando a questão. A secretaria também vem discutindo há tempos com fornecedores acerca da capacidade de atendimento do insumo, que sinalizaram a garantia de cobertura. Dados apurados mostram que houve um aumento de mais de 100% na demanda por oxigênio”, informou por meio da assessoria.

Já a falta de cilindros fez com que as cervejarias Formosa, Insana e Schafbier doassem 17 cilindros de oxigênio para o Hospital Regional Estadual de Clevelândia, usados nas fábricas para fermentação. No total foram doados três cilindros de um quilo, três de sete quilos e 11 de 10 quilos.

Em suas redes sociais, a Cervejaria Insana chamou a atenção para a situação local. “Durante a próxima semana, nossa produção estará interrompida pela doação de cilindros à prefeitura de Clevelândia. Convidamos os amigos cervejeiros a fazerem o mesmo pela sobrevivência dos que mais necessitam. Acima de qualquer coisa, salvar vidas é a prioridade.”

Sobre a pandemia, a Sesa informou que “todos os leitos estão além da capacidade máxima ofertada pelo Estado, mas os esforços estão sendo mantidos. Sabe-se que embora receba todo o atendimento hospitalar necessário, estatisticamente 25% dos pacientes que internam não resistem às complicações causadas pela covid-19, portanto a Sesa reforça que as medidas de prevenção devem ser mantidas, mesmo com leitos ‘disponíveis’. Em janeiro a média de pacientes diariamente nesta fila, seja por enfermaria ou leito de UTI era de 40/45 pessoas”, concluiu.

Informações Estadão Conteúdo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vídeo: Mulher cai da bicicleta após homem passar a mão no corpo dela no Paraná

Uma ciclista ficou ferida após cair na rua ao ser vítima de importunação sexual enquanto pedalava, em Palmas, na região sul do Paraná, no domingo (26).

Uma câmera de monitoramento registrou o momento em que um carro se aproximou da ciclista e, na sequência, o carona passou a mão no corpo dela. Com isso, a vítima caiu no chão.

Após o ocorrido, a vítima Andressa Lustosa registrou um boletim de ocorrência e procurou pelas câmeras de monitoramento na região para entender o que havia acontecido.

Em entrevista ao Encontro, Andressa disse que percebeu que o acidente aconteceu porque tinha sido tocada pelo suspeito. Ela publicou as imagens nas redes sociais e pediu ajuda da população para identificar os envolvidos.

“Eu acho que está na hora de alguém tomar uma atitude. A gente não está aguentando mais esse tipo de situação. É humilhante nós mulheres não podermos sair na rua para fazer uma atividade física. Você não pode sair na rua por medo. O que é isso? Em pleno século XXI, é triste. Não é normal isso”, disse.

A estudante disse que está bem, mas ficou com alguns ralados. Conforme a Polícia Civil, a princípio, o caso é investigado como importunação sexual e lesão corporal. Andressa prestou depoimento à polícia, e fará exame de corpo de delito por causa das lesões.

O suspeito de passar a mão na jovem, que estava no banco do caroneiro, foi preso, de acordo com a Polícia Civil.

Conforme a polícia, o outro suspeito também foi identificado, mas não havia sido preso até a última atualização desta reportagem.

As informações são do G1 Paraná

Brasil tem 145 milhões de vacinados com ao menos uma dose contra Covid-19

A quantidade de vacinados com duas doses ou dose única de vacinas contra a covid-19 no Brasil chegou nesta segunda-feira, 27, a 87.436.784, o que corresponde 40,99% da população. Enquanto isso, 145.005.445 pessoas, o equivalente a 67,98% do total, receberam ao menos uma dose.

Nas últimas 24 horas, o País registrou a aplicação de 1.274.474 doses de vacinas contra a covid-19. Foram administradas 468.526 primeiras doses, 742.328 segundas doses, 1.752 doses únicas e 61 868 terceiras doses. Os dados são reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa junto a secretarias de 26 Estados e Distrito Federal.

Proporcionalmente, São Paulo segue como o Estado que mais vacinou com primeira dose, com 78,70% dos habitantes parcialmente imunizados contra a covid-19. Já o Mato Grosso do Sul tem a maior porcentagem da população completamente vacinada: 55,94% do total. São Paulo está logo atrás, com 54,63%.