CBF defende protocolos adotados e decide pela permanência do futebol no Brasil

 O futebol nacional não vai parar. Ao menos é o que defende a CBF, que divulgou nesta quarta-feira um relatório defendendo o seu protocolo de segurança para a continuidade dos campeonatos no País, mesmo no auge da pandemia no Brasil.

De acordo com a entidade, o futebol nacional está “seguro, controlado e responsável, com todas as condições de continuar”. A CBF usou renomados infectologistas para confirmar a segurança de seus métodos de prevenção à saúde de todos os envolvidos nas partidas

“Mesmo com cenário intenso (de covid-19 no País), não há a transmissão do vírus em campo. A contaminação não ocorre em campo, só por comportamento social incorreto ou quebra de protocolos”, garantiu Bráulio Couto, professor da Uni BH, com mais de 30 anos de experiência em serviços de epidemiologia hospital.

“Todos os jogadores são avaliados antes dos jogos e lembrados que ao apresentarem qualquer problema respiratório devem avisar os clubes e ficarem em isolamento”, seguiu. “Com esses dois pilares, o teste nasal e o PCR em assintomáticos, conseguimos compartilhar um resultado de grande sucesso, garantindo que não houve contaminação dentro de campo, nenhuma dentro das quatro linhas.”

A CBF vai levar os resultados positivos de seu controle rigoroso da covid-19 para um congresso de futebol da Fifa, em junho, marcado para Viena, mas que deve se tornar virtual.

Para Clóvis Arns da Cunha, presidente da Sociedade de Infectologia, a CBF contribuiu cientificamente de forma inédita. Para ele, uma “contribuição social”, pois está obrigando o atleta assintomático a ficar isolado. “Evita-se que passe a doença a seus familiares e a pessoas do convívio social fora do campo.”

Para o grupo de especialistas reunidos pelo neurocirurgião Jorge Pagura, coordenador médico da CBF, a temporada 2020 do futebol brasileiro foi muito segura. “Os exames provaram que é seguro o futebol desde que o protocolo seja seguido à risca. É afastar da atividade quando tem sintoma e fazer exame sempre”, afirmou Clóvis Arns. “90% dos casos diagnosticados em jogadores foram sem sintomas. Ao afastá-lo, evitamos a transmissão.

Entre agosto e o fim da temporada no último domingo, com a final da Copa do Brasil, a CBF realizou testes em jogadores envolvidos em 2.423 partidas, em todos os Estados do País. Foram feitos 89 052 testes PCR em pessoas envolvidas nas partidas, 13.237 em atletas. Nenhum jogador entrou em campo sem ser testado.

“Mesmo com algumas equipes passando por surtos por causa de motivos diferentes, não vamos citar nomes ou equipes aqui, nosso inquérito epidemiológico provou não haver contaminação no campo”, afirmou Pagura.

“Repito, não há evidência de contaminação entre jogadores numa partida. Mas vamos usar o caso do Valdivia (do Avaí), pois esse foi amplamente noticiado e podemos citar o nome. Ele jogou o primeiro tempo (diante do CSA) e saiu no intervalo. Foram feitos 19 testes no CSA e ninguém testou positivo. Seis dias depois, repetimos mais 18 testes e nenhum positivo. Mais alguns dias e outros 19 testes realizados e novamente nada de positivo. A análise das interações entre clubes mostra total segurança nos jogos e temos provas que não houve transmissão.”

Informações Estadão Conteúdo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Queiroga: nós vivemos momento epidemiológico que aponta para redução dos óbitos

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta terça-feira, 6, que o Brasil vive “momento epidemiológico de redução de óbitos” durante anúncio da inclusão dos bancários e dos servidores dos Correios no grupo prioritário do Plano Nacional de Imunização (PNI). “Estamos perto de atingir 50% de vacinados com a primeira dose. Eu falo daqueles acima de 18 anos, que são 160 milhões de habitantes”, destacou.

De acordo com o ministro, a “transferência tecnológica” da AstraZeneca para a Fiocruz, que iniciou fabricação da vacina e dos insumos necessários produzi-la, resultará em economia e fortalecerá o planejamento da campanha de imunização em massa. “Em outubro de 2020, antes de sequer existir uma vacina com registro na Anvisa, definitivo ou emergencial, o ministério, através da secretaria de vigilância em Saúde, elaborou o plano nacional de operacionalização destas vacinas contra a covid-19”, disse.

Queiroga também ressaltou a celeridade do sistema de saúde do País, capaz, segundo ele, de aplicar até 2,4 milhões doses por dia. “No mês de junho, nós atingimos a meta de um milhão de vacinados todos os dias. Em vários dias nós superamos os dois milhões de vacinados.”

Ao justificar a inclusão de bancários e servidores dos Correios no grupo com prioridade à vacina, o ministro os enalteceu por não terem interrompido os trabalhos durante a pandemia do novo coronavírus. “Os bancários são fundamentais para que nossa economia continue fluindo. Servidores dos correios e dos telégrafos estão na linha de frente e são muito importantes”, ressaltou o ministro, que recebeu relatório no qual as categorias apresentaram dados para embasar sua inclusão no rol de beneficiários do PNI. “Muitos deles pagaram com a própria vida”, disse.

Em seguida defendeu a medida como forma de conciliar a contenção da crise sanitária com a preservação da atividade econômica. “Bolsonaro desde o princípio ressaltou a importância de conjugar assistência de saúde e manutenção da economia.”

Em 6 meses, ação integrada interdita 576 comércios e flagra 27 mil em aglomerações em Curitiba

Desde janeiro deste ano, a Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu) deflagrou 168 operações em Curitiba. O trabalho integrado, coordenado pela Polícia Militar, envolve outros órgãos municipais e estaduais e resultou em 479 pessoas encaminhadas e 576 pontos comerciais em situação irregular interditados. Ao todo, 27,6 mil pessoas foram dispersadas de aglomerações no primeiro semestre de 2021.

Com a piora do quadro epidemiológico na cidade, com a segunda onda do contágio e os decretos restritivos do Governo do Estado e da prefeitura municipal, a Polícia Militar reforçou as fiscalizações com as equipes policiais e as operações foram intensificadas e passaram a ser diárias, ocorrendo em diversos bairros em horários e locais diferentes.

O comandante do 1° Comando Regional da PM, ao qual a Aifu está subordinada, coronel Wagner Lúcio dos Santos, explica que o diferencial desse grupo é que a dinâmica envolve profissionais municipais e integrantes de outras forças policiais nas abordagens, reforçando o efeito da fiscalização com autuações administrativas, além dos encaminhamentos criminais.

“É preciso que as pessoas entendam que ao descumprir as normativas estão contribuindo para a propagação do vírus, e, em algum momento, ela mesma ou alguém de sua família pode ser contaminado, por isso é importante que cada um faça sua parte, e ajude a salvar vidas”, disse o coronel.

Além de vistorias em pontos comerciais, a Aifu também promove abordagens a locais públicos, como praças e parques, visto que alguns são pontos de aglomeração de pessoas que desrespeitam as recomendações de distanciamento social e uso de máscara.

BALANÇO 

Segundo balanço divulgado pela coordenação da Aifu, 928 pontos comerciais foram abordados neste primeiro semestre, com irregularidades constatadas em 576. Com o apoio dos agentes municipais, foram lavradas 2.266 autuações administrativas para pessoas físicas e pessoas jurídicas.

Foto: SESP-PR

Em todos os pontos abordados, 27.651 pessoas estavam aglomeradas, sendo que 479 acabaram encaminhadas por diversos tipos de infrações relacionados ao combate à pandemia e também outros crimes, como uso e tráfico de drogas, desacato, desobediência e resistência e jogos de azar.

TRÂNSITO 

Também houve a verificação de questões relacionadas ao trânsito nos arredores dos pontos abordados. No período analisado, 647 veículos foram abordados e, destes, 197 recolhidos por pendências administrativas. Os policiais militares ainda lavraram 978 autos de infração a condutores de automóveis e motocicletas.

MAUS EXEMPLOS 

Ao longo das operações, os policiais militares se depararam várias vezes com o descaso de pessoas que insistem em desobedecer as recomendações e fomentam aglomerações. Dentre os principais casos ocorridos nos últimos seis meses estão uma abordagem a uma arena de esportes em funcionamento no bairro Umbará, região sul da Capital, com 27 pessoas que não respeitavam as medidas sanitárias. Todos os frequentadores foram autuados e o proprietário encaminhado pelos policiais militares para a assinatura do Termo Circunstanciado. 

Em outro momento, numa tabacaria situada na Cidade Industrial de Curitiba, na Rua Desembargador Cid Campelo, cerca de 90 pessoas, entre fregueses e funcionários, foram flagradas sem máscara e sem respeitar o distanciamento. Durante a ação, porções de maconha, cocaína e ecstasy foram encontrados no chão do estabelecimento. Os quatro envolvidos, mais um casal que fazia a função de segurança, foram encaminhados à Delegacia de Crimes contra a Saúde Pública (Decrisa). O mesmo local já tinha sido alvo de abordagens outras três vezes, também sendo constatada a aglomeração de pessoas.

Já em maio, um bingo com 120 idosos foi abordado pelas equipes policiais no cruzamento da Rua Desembargador Westphalen com a Rua Baltazar Carrasco dos Reis. Ao todo, foram apreendidos 12 CPUs, cinco caixas de som, 10 monitores e seis televisores, além de R$ 1.683,00 em dinheiro. Cada um dos frequentadores foi notificado e recebeu uma multa de R$ 5 mil aplicada pelos agentes da Secretaria Municipal de Urbanismo.

CONTRABANDO 

Segundo o coordenador da Aifu, capitão Ronaldo Carlos Goulart, durante as abordagens também foram constatados outros crimes, principalmente nos estabelecimentos comerciais. “Em vários casos encontramos produtos contrabandeados, como cigarros, bebidas alcoólicas e essências de narguilé, além de máquinas caça-níques e eletrônicos usados para o jogo do bicho. Nesses casos, os objetos foram apreendidos e os responsáveis encaminhados”, disse. 

Neste semestre, as equipes policiais apreenderam 127 máquinas caça-níqueis, além de 47 eletrônicos relacionados a jogo do bicho. Também foram apreendidos 10.596 maços de cigarros e 3.673 essências de narguilé. A maior parte desses objetos foi encontrada em bares nos bairros das regiões Sul, Central e Leste da cidade.