Casa do Papai Noel de São José dos Pinhais foi cancelada

O evento “Casa do Papai Noel 2020” de São José dos Pinhais foi concelado a pedido da Secretaria Municipal de Saúde da cidade. A programação foi cancelada devido ao aumento exponencial de casos de Covid-19 em Curitiba e em toda Região Metropolitana.

O comunicado anunciando o cancelamento foi divulgado através do Facebook da empresa RJ Eventos, responsáveis pela organização.

O evento estava programado para começar na quinta-feira, dia 26 de novembro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia fecha 15 estabelecimentos em Curitiba durante feriado de Natal

A Ação Integrada de Fiscalização Urbana (AIFU), coordenada pela Polícia Militar fechou 15 estabelecimentos comerciais em Curitiba durante o feriado de Natal. A ação, realizada para conter a perturbação de sossego e garantir o cumprimento do decreto estadual de combate ao COVID-19, atuou em Curitiba e no Litoral entre os dias 23 e 27 de dezembro. 

A Ação é composta por equipes da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Guarda Municipal e Vigilância Sanitária, em uma parceria entre Governo do Estado e prefeitura de Curitiba. No litoral paranaense, a AIFU atuou com Patrulha do Sossego.

De acordo com o balanço, as equipes fiscalizaram, em Curitiba, 20 pontos nos três dias de operação, sendo que 15 foram fechados. Segundo informações da AIFU, 23 pessoas foram abordadas e quatro delas foram detidas. Um adolescente foi apreendido. 

Outras duas pessoas foram encaminhadas para a lavratura de termo circunstanciado. No total, 597 objetos foram apreendidos durante a operação. 

Dentre os locais fechados pela Operação AIFU estava um estabelecimento com fins de jogo de azar – bingo clandestino, no bairro do Rebouças. No local foram apreendidos 17 computadores (apenas CPU), 14 monitores LCD, nove aparelhos de televisão de LED, sete controles de TV, 19 teclados, uma impressora, dois painéis multimídias, uma roleta com tabuleiro de bingo e R$ 3.239,00. Uma pessoa foi encaminhada para a lavratura de termo circunstanciando.

LITORAL – Nas cidades de Matinhos e Guaratuba também houve ações da AIFU, mas voltadas à Patrulha do Sossego. No último sábado e domingo, foram dez atendimentos a partir do 190, que resultam em 12 pessoas abordadas, das quais seis foram detidas. Deste total, cinco assinaram termo circunstanciado, e tiveram seus aparelhos de som apreendidos. 

Informações AEN.

Confira os direitos do consumidor na hora de trocar presentes de Natal

[ad_1]

Receber um presente de final de ano nem sempre é sinônimo de satisfação garantida. Às vezes, é necessário trocar o produto, seja por apresentar algum problema ou simplesmente por não estar alinhado ao gosto do presenteado. De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, entretanto, uma loja só é obrigada a fazer a troca em casos de defeito.

Fica garantido ao consumidor, por exemplo, trocar uma roupa com problemas de confecção ou um brinquedo que saiu quebrado da loja. Já a troca por outros motivos depende de cada estabelecimento. Por isso, vale conversar com a pessoa que comprou o presente para saber se o vendedor se comprometeu a fazer a troca mesmo com o produto em condições.

O Instituto de Defesa do Consumidor (Procon) recomenda aos compradores garantir a possibilidade de troca na hora de comprar o presente. “A maioria das lojas opta por esse serviço até para conquistar o consumidor e realizar uma nova venda. Por isso, antes de comprar, informe-se sobre as condições de troca do estabelecimento”, destacou o Procon-SP.

A troca deve respeitar o valor pago pelo produto, mesmo que haja liquidações ou aumento de preço. Em casos de troca pelo mesmo produto, a loja não pode exigir complemento de valor. O consumidor também não pode pedir abatimento do preço caso haja mudança entre o que foi pago e o valor no dia da troca.

Os órgãos de defesa do consumidor recomendam ainda que a nota fiscal seja guardada para uma eventual troca. Para roupas e sapatos, por exemplo, a etiqueta deve ser mantida na peça e só retirada quando houver a certeza de que o produto não precisará ser trocado.

Compras pela internet

Quando se trata de uma compra feita pela internet, a legislação brasileira garante ao cliente direito de arrependimento no prazo de até sete dias, a contar da data do recebimento. Além disso, há a possibilidade de o produto chegar danificado ou não corresponder ao pedido feito. A devolução, nesses casos, pode ser feita e o dinheiro pago, restituído – inclusive o frete.

“Em caso de troca ou cancelamento, é importante guardar uma cópia dos contatos de e-mail e protocolos de ligações telefônicas, possibilitando a resolução de demandas. O lojista deverá arcar com todos os custos de devolução do produto”, explicou a diretora do Procon-ES, Denize Izaita Pinto.