Cantina do Délio lança primeiro prato da Boa Lembrança em 2021 em homenagem à Banoffi

Restaurante italiano comandado pelo chef Délio Canabrava preparou homenagem para a doceria que ajudou a financiar a Cantina em seus primeiros passos em 2006; além da cerâmica e de uma fatia da torta, quem comprar vai garantir um prato principal

A Cantina do Délio vai lançar nesta quinta-feira (21) o primeiro prato da Boa Lembrança de 2021. O tradicional restaurante italiano, que ficou conhecido por lançar diferentes e criativos pratos relacionados à iniciativa, está preparando uma edição especial para homenagear a sua irmã mais velha: a Banoffi, confeitaria fundada pela chef Renatta Ferian, que é conhecida por ter popularizado o doce inglês de mesmo nome em Curitiba.

De acordo com o chef Délio Canabrava, a ideia é valorizar a doceria, que inclusive foi responsável por ajudar a Cantina em seus primeiros passos no ano de 2006. “Foi a Banoffi que financiou, digamos assim, o começo da Cantina. Desde então, as duas empresas sempre estiveram interligadas e uma ajudou a outra a crescer”, explica Délio.

Para a homenagem, nada mais justo que um dos pratos da Boa Lembrança seja com a Banoffi da Banoffi. Mas não para por aí. Quem comprar o prato vai garantir, além de uma fatia da torta para a sobremesa, também o prato principal: Salmão com lâminas de amêndoas e alcaparras, purê de batatas, legumes e touili de pesto. O valor será de R$ 120, lembrando que você poderá levar a cerâmica para casa.

SOBRE A BOA LEMBRANÇA

A Boa Lembrança nasceu em 04 de março de 1994, em Petrópolis (RJ). A proposta é representar um grupo de restaurantes que prima pela excelência e qualidade nos serviços, promovendo e divulgando a diversidade do setor através das peculiaridades regionais e do associativismo. A ideia chegou no Brasil com o italiano Dânio Braga, fundador e atual conselheiro. Inspirado pelos costumes que trouxe da região onde nasceu, Dânio resolveu estimular o hábito de se levar uma lembrança depois de uma boa refeição. Foi assim que surgiu o Prato da Boa Lembrança, uma peça exclusiva em cerâmica que você leva para casa depois de comer em um dos restaurantes associados. O Prato da Boa Lembrança é o troféu de todo colecionador. Ele é feito em louça de alta qualidade, resistente, produzido especialmente para ser pendurado e exposto como uma peça de arte. Cada prato possui um desenho original e exclusivo, sempre muito alegre, de cores vibrantes e tom bem humorado. Já foram fabricados mais de um milhão e duzentos mil Pratos da Boa Lembrança.

HISTÓRIA DA BANOFFI

Atualmente, pedir por uma Banoffi em Curitiba é algo normal, corriqueiro de muitos amantes da sobremesa inglesa. Mas há 18 anos, isso era muito diferente. Pouquíssimos curitibanos conheciam a torta de nome extravagante. Coube à chef confeiteira Renatta Ferian o desafio de popularizar o doce à época na capital paranaense.

Depois de ter conhecido a receita original no período em que trabalhou em um restaurante de Londres na década de 90, a cozinheira passou a produzir a Banoffi na cidade parananese e batizou inclusive a sua confeitaria com o mesmo nome da torta. Em 2002, conquistou o seu primeiro ponto de venda: o tradicional restaurante curitibano Beto Batata. Depois disso, só sucesso: foram vários prêmios recebidos, como o de Melhor Doceria pela revista Veja Comer & Beber e o de Melhor Sabor Popular de Curitiba, pelo Prêmio Bom Gourmet.

Hoje, com uma unidade física localizada ao lado da Cantina do Délio, a doceria é reconhecida como um dos principais endereços curitibanos para quem gosta de um doce autêntico e original. “Eu ainda faço questão de assinar cada fatia ou cada banoffi inteira que sai da minha cozinha, afinal a história da Banoffi é também a história da nossa família. O Délio (dono da cantina e marido da Renata) sempre fez o prato principal e eu a sobremesa, dinâmica que temos hoje mais do que nunca. Ficamos muito felizes em saber que hoje esse é um doce tão querido pelos curitibanos”, afirma a chef Renatta.

Sobre a Cantina do Délio

Délio Canabrava sempre sonhou em abrir um restaurante italiano. Viajou para a Itália e lá passou um mês conhecendo as cantinas do norte ao sul. Ao voltar, alugou uma antiga floricultura na esquina da Rua Itupava com o Jardim Ambiental. Foi assim inaugurada a Cantina do Délio: comida tipicamente italiana, saborosa, de qualidade e com preços acessíveis. Hoje o restaurante se tornou uma referência da gastronomia do país da bota em Curitiba, tendo ganhado diversos prêmios como reconhecimento do trabalho do Délio e da sua equipe.

Créditos:  Fernando Smak – Guest Vip.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mercado Municipal do Capão Raso celebra gastronomia alemã com Oktoberfest até o fim do mês

A gastronomia e a cultura da Alemanha são o tema do mês no Mercado Municipal Capão Raso (MMCR), que promove, até 31 de outubro, a segunda edição da Oktoberfest do local. Ao todo, 20 estabelecimentos, entre restaurantes e lojas, oferecem pratos típicos, bebidas e produtos de decoração tradicionais alemães. 

Nessa edição, o festival vai sortear, em parceria com o Goethe-Institut, uma bolsa de estudos na escola de idiomas.

“A história de Curitiba está conectada com a imigração alemã, seus costumes e sua cultura. Assim como muitos locais celebram a Oktoberfest, criamos o festival do mercado para que os visitantes possam desfrutar os sabores da Alemanha durante o mês de outubro”, diz Elias Techy, gestor da área comercial da Urbanização de Curitiba (Urbs), empresa responsável pela administração do MMCR.

A previsão é que haja um crescimento, em outubro, de 40% no movimento de visitantes no mercado, que recebe diariamente cerca de 2 mil pessoas.

“Seguimos todos os protocolos sanitários, com marcação de distanciamento em filas, obrigatoriedade de uso de máscaras e ainda displays de álcool gel. A ideia é que as pessoas possam aproveitar a Oktoberfest com segurança”, ressalta Techy.

O cardápio da Oktoberfest conta com opções para todos tipos de gostos e bolsos, com preços que variam de R$ 10 a R$ 45.
Entre as opções tradicionais estão o wurstdalat (salsicha alemã, queijo, pepino em conserva, cebola roxa, cebolinha temperados no vinagre de vinho branco, azeite de oliva e sal; bockwurst (salsichas bock e bratwurst, cebola roxa e queijo mussarela temperados com mostarda escura e cebolinha verde, com chucrute e batata frita) e kasseler (prato à base de batata, salsichas, chucrute e queijo de porco, acompanhados de mostarda escura e raiz forte).

As famosas sobremesas alemãs também não ficaram de fora e o cardápio conta com  donauwelle (tradicional bolo alemão com chocolate amargo, creme de baunilha e cerejas vermelhas), chocolates, cuca alemã e apfel strudel.

Há também pratos adaptados, que receberam um toque da cultura alemã, como fettuccine e yakisoba com linguiça blumenau e apfel pizza (pizza de maçã). Cervejas, vinhos e espumantes e embutidos com promoções especiais, canecas, copos e lembranças temáticas também são opções disponíveis.

Sorteio

A novidade dessa edição é o sorteio de uma bolsa de estudos de um semestre, em parceria com o Goethe-Institut. A participação será pelo instagram do MMCR, por meio de um post que será divulgado na próxima semana.

As pessoas deverão curtir a postagem e marcar uma pessoa nos comentários. Não há limite de comentários, porém marcações de perfis falsos, celebridades ou instituições serão desconsideradas. 

Estrutura

O MMCR conta com 89 lojas, oito bancas e quatro quiosques. O mercado permite a integração com o Terminal Capão Raso, que fica ao lado, por meio do cartão-transporte da Urbs. O passageiro que sai do terminal pode fazer suas compras e retornar ao terminal sem que seja necessário pagar uma nova tarifa dentro de um período de duas horas.


Serviço: 2ª edição da Oktoberfest do Mercado Municipal Capão Raso

Data: até 31/10
Endereço: Rua Otto Cabel, 51, Novo Mundo
Horário de funcionamento: de segunda a sábado, das 9h às 21h
Mais informações neste link

Pizzaria da Mathilda celebra o estilo napolitano e atinge a marca de 80 mil pizzas vendidas em Curitiba

Inaugurada um pouco antes da pandemia, a pizzaria superou as dificuldades com produtos de altíssima qualidade e já conta com duas unidades na cidade

O estilo napolitano de pizzas conquistou o público curitibano, e os números da Pizzaria da Mathilda são a prova desse sucesso. Com duas lojas na cidade (uma delas inaugurada no início da pandemia e outra em abril de 2021), o empreendimento gastronômico se transformou em um grande fenômeno e já vendeu mais de 80 mil unidades. Seguindo a tradição italiana, a marca curitibana oferece sabores clássicos e criações originais no formato individual, que podem ser degustadas nos salões das unidades ou com a entrega.

Logo após a inauguração da primeira unidade da Pizzaria da Mathilda, no Centro de Curitiba (Av. Vicente Machado, 859), os sócios Daniel Mocellin e Maurício Ceschini foram surpreendidos pela pandemia. O aprimoramento no atendimento que respeitasse as normas de proteção sem deixar de oferecer um espaço agradável com boa gastronomia fez com que a pizzaria ganhasse destaque e conquistasse um público fiel. O próximo passo foi natural: a inauguração de uma segunda unidade, no tradicional bairro Juvevê (R. Rocha Pombo, 265).

Divulgação

Estilo Napolitano

Reconhecido pela Unesco, o estilo napolitano de pizzas é um sucesso em todo o mundo. A primeira característica é o formato individual, acompanhada de outros detalhes importantes. A massa é preparada de forma artesanal, com fermentação lenta de temperatura e tempo controlados. Os insumos frescos são outro ponto forte da Pizzaria da Mathilda, que chega a importar da Itália alguns ingredientes como o molho de tomate e a farinha. “Achamos um produto fiel à tradição italiana, com insumos italianos, preço altamente competitivo e que conversa com todos os públicos”, afirma Daniel Mocellin.

Divulgação

Ele e Ceschini, pizzaiolos da rede, apostam em sabores tradicionais e, também, em criações originais, pelas mãos de Mocellin, oferecendo 12 sabores salgados e um doce. Entre os clássicos, há Maguerita, Pesto e Calabresa. A Pizzaria da Mathilda, inclusive, realizou um Festival de Margueritas, com releituras originais de um dos sabores mais antigos de pizza. Outras receitas da rede oferecem até pedidas veganas, como León (de molho de tomate com berinjela em cubos, cebola branca, azeitona preta e basílico) e Abobrinha Vegana.

Identidade

Para o branding, referências de cultura pop dão o ar despojado da Mathilda – nomeada em homenagem à personagem do filme “O Profissional” e desenhada com inspiração nos cartuns dos anos 1950. Cada loja tem sua identidade própria, seguindo um estilo que dê unidade à marca. A segunda unidade, por exemplo, foi desenhada por Mocellin e Ceschini. “Eu e o Maurício desenhamos o layout da loja, buscando um espaço alegre, despojado e colorido”, comenta Mocellin.

O formato de serviço também favorece a praticidade e segurança do ambiente. A pizza é servida em prato de papelão e papel de seda – com o simpático rosto da Mathilda – que permite comer com as mãos de forma descontraída.

Para o futuro da marca, além de chegar logo às 100 mil pizzas comercializadas, os sócios e pizzaiolos apostam no fortalecimento de marca e possibilidade de novas lojas. “Pensei em um ambiente que eu queria ir, sentar-se com os amigos, curtir, e acabei atingindo outros públicos, de família. Também é um lugar que, se você quiser ir sozinho, você vai, porque foge de uma proposta conservadora de pizzaria, sem deixar de ser amistosa e familiar. E isso permite escalonar para a franquia”, completa Mocellin.

A Pizzaria da Mathilda conta com dois endereços na cidade de Curitiba. A Unidade Centro (Av. Vicente Machado, 859) abre diariamente, das 18h às 23h. Já a Unidade Juvevê (R. Rocha Pombo, 265) funciona de terça-feira a domingo, das 18h às 23h. Mais informações no Instagram oficial da rede: @pizzariadamathilda.