Cágado de espécie em extinção faz ninho no Parque Barigui

O Parque Barigui recebeu na tarde desta sexta-feira (1/5) uma visita inusitada – e rara. Um cágado fêmea, de uma espécie em extinção no estado, escolheu a área das quadras de vôlei para fazer seu ninho e depositar seus ovos. A Guarda Municipal isolou o local para proteger os ovos e acionou o Departamento de Pesquisa e Conservação da Fauna da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SMMA), que vai monitorar o ninho.


O prefeito Rafael Greca comemorou a nova visitante. Ele lembrou que o Barigui é famoso por outro morador, o jacaré dono de estátua em uma das entradas do parque e o local agora agora recebe de braços abertos a mãe que deixou seus ovos para se desenvolverem. E pediu o apoio da população: 

“Não deve ocorrer visitação do público ao local. Precisamos que não haja interferências no processo natural de desenvolvimento dos ovos. Deixem em paz os animais, que façam seus ninhos nas nossas areias. Toda vida é sagrada”, disse.

O prefeito reforçou,que, além do cuidado com os ovos da cágado fêmea, há ainda a contraindicação de circular em aglomerações no parque devido à pandemia da covid-19, outro motivo importante para evitar passeios ao local.

Animal em extinção

A principio, os guardas acharam se tratar de uma tartaruga, mas uma primeira análise feita pela equipe da SMMA apontou se tratar de um um parente próximo, o cágado. Ambos são da ordem dos quelônios, mas os cágados vivem apenas em água doce e têm a carapaça mais achatada. 
“Provavelmente seja um cágado rajado, da espécie Phrynops williamsi, animal raro, de difícil encontro”, diz o diretor do Departamento de Pesquisa e Conservação da Fauna da SMMA, Edson Evaristo, que avaliou as imagens do animal. 
Também chamado de cágado-de-ferradura, é uma das quatro espécies de quelônios de água doce nativos do Paraná, considerado ameaçado de extinção no estado em função dos impactos de intervenções hídricas. Pode ser encontrado em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Argentina, no Paraguai e no Uruguai.

Chamou a atenção o local e o período do ano escolhido pela fêmea para depositar seus ovos. Evaristo explica que, em geral, esta espécie faz a postura  entre outubro e novembro, não no outono; e a região do Parque Barigui não é a área de habitat do cágado rajado, que prefere grandes rios, como os da bacia do Rio Iguaçu. “São questões que merecem estudos pelos pesquisadores. Vamos monitorar o local do ninho até a eclosão dos ovos, em um período entre 150 e 200 dias, e verificar se há outros animais da espécie pelo parque”, fala. 
Além do monitoramento do ninho, a equipe vai coletar parte dos ovos para incubação artificial.

Poucos registros

Em Curitiba, até 2018, não havia registros dessa espécie de cágado no município, até que um animal foi avistado no Parque Barigui e o registro foi feito na página Biodiversidade de Curitiba.
O cágado-rajado ainda é pouco estudado e as informações regionais são escassas. Por esse motivo, esse episódio deverá contribuir para a ampliação do conhecimento sobre a espécie.

Deixar animais soltos em ruas e praças pode gerar multa de até R$ 2 mil em Curitiba

Projeto de lei que reforça punição à maus-tratos foi aprovado em 1º turno na Câmara Municipal.

Os vereadores de Curitiba aprovaram nesta quarta-feira (16), por unanimidade e em 1ª discussão, o projeto de lei que, entre outras coisas, estabelece multa de R$ 200 a R$ 2 mil para quem abandonar animais em ruas e espaços públicos. O projeto modifica  modifica lei já existente e amplia as práticas consideradas como crime de maus-tratos a animais.

A proposta da vereadora Katia Dittrich (Solidariedade) lista 24 ações ou omissões como maus-tratos, o dobro do que previa a lei de 2011. Entre os novos comportamentos que caracterizam o crime, o mais significativo é o de abandono.

“Deixar o animal solto em vias e logradouros públicos” como diz o texto do projeto, vai passar a doer no bolso, com multas de até R$ 2 mil no caso de flagrante ou denúncia comprovada. As medidas seguem a linha de projeto semelhante porém ainda mais rigoroso e que prevê responsabilização criminal, aprovado no Senado Federal na semana.

Outros dois pontos polêmicos do projeto são a proibição expressa de ‘passeios’ desacompanhados e abandono de animais idosos ou doentes. No primeiro caso está prevista responsabilização dos tutores com multa, pelo risco do animal sofrer ou causar acidentes, além de permitir uma possível cria indesejada” e no segundo uma característica de agravante ao crime de maus-tratos, pela vulnerabilidade dos bichos.

Para entrar em vigor, o projeto precisa ser aprovado em 2ª discussão para depois ser sancionado ou não pelo prefeito.  Caso seja sancionada, a lei então terá um prazo para regulamentação.

Informações Banda B.

Sérgio Moro recebe carteira da OAB e abre escritório em Curitiba

Antes de começar a advogar, no entanto, Moro deverá acabar de cumprir a quarentena de seis meses determinada pela Comissão de Ética da Presidência.

O ex-juiz federal que conduziu a Lava Jato e colecionou desafetos entre alguns criminalistas vai atender sua futura clientela em um endereço de Curitiba, base e origem da maior operação já desencadeada no País contra a corrupção.

Antes de começar a advogar, no entanto, Moro deverá acabar de cumprir a quarentena de seis meses determinada pela Comissão de Ética da Presidência. Levando em consideração a data em que anunciou sua renúncia e acusou o presidente de suposta tentativa de interferência na Polícia Federal, 24 de abril, a quarentena do ex-juiz terminará no fim de outubro.

Informações Banda B.