Cabify anuncia que deixará de operar no Brasil a partir de junho

A startup espanhola Cabify anunciou nesta sexta-feira (23) que irá encerrar sua operação no Brasil a partir do próximo dia 14 de junho. Em comunicado, a empresa diz que a persistência da pandemia do novo coronavírus no País dificulta a criação de valor dos seus serviços de carona compartilhada, dependente da mobilidade urbana, e por decisão de rentabilidade tomou a decisão de sair do Brasil.

“Todos os motoristas parceiros, passageiros e empresas que utilizam seus serviços no País foram devidamente informados e a Cabify tem transmitido sua gratidão pela confiança depositada na empresa nos últimos 5 anos, desde sua chegada ao Brasil em 2016. A empresa continuará atenta às necessidades e oportunidades futuras de mobilidade neste mercado”, fala a startup, em nota.

Fundada em 2011, em Madri, a Cabify expandiu, alguns meses depois, para a América Latina e atualmente está presente na Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Espanha, México, Peru e Uruguai.

No Brasil, a startup viu um mercado altamente competitivo, que conta com a Uber e a 99 como as principais operadoras de serviços de carona compartilhada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sputnik V diz que abrirá processo contra Anvisa por ‘espalhar informações falsas’

Em sua conta no Twitter, representantes da Sputnik V afirmaram que vão abrir um processo judicial contra a Anvisa pela difusão “intencional de informações falsas e imprecisas” sobre a vacina russa contra a covid-19. De acordo com a publicação, feita nesta quinta-feira (29) a decisão ocorre após a agência reguladora do Brasil admitir que não realizou testes com o imunizante fabricado pelo Instituto Gamaleya.

Na última segunda-feira, dia 26, a Anvisa negou a autorização para importação da Sputnik V, após pedido feito por dez Estados brasileiros. A decisão, embora elogiada pela comunidade científica, foi criticada pela Rússia e pelo CEO do Fundo de Investimentos Diretos russo, Kirill Dmitriev, que acusou a agência de ter tomado uma “decisão política”.

Vem vacina! Fiocruz recebe nova remessa de IFA para produzir vacina


A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), por meio do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), recebe neste sábado (24) uma nova remessa de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) para a produção da vacina Oxford/AstraZeneca contra a covid-19.

Segundo a Fiocruz, a remessa, que tem previsão de chegar da China às 20h15 no RioGaleão – Aeroporto Internacional Tom Jobim, tem um lote e meio do insumo, com aproximadamente 364 litros. A quantidade é suficiente para a produção de cerca de 8,9 milhões de doses.

“Com o recebimento, Bio-Manguinhos garante entregas da vacina até o início de junho”, informou a fundação em nota.

Balanço

Ainda de acordo com a Fiocruz, a instituição entregou, até agora, ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, 20 milhões de doses do imunizante contra a doença. Desse total, 4 milhões eram de doses importadas da Índia e 16 milhões produzidas nas suas instalações no Rio de Janeiro. 

Nesta sexta-feira (23), a pasta recebeu cerca de 5,2 milhões de vacinas, 500 mil doses a mais do que as 4,7 milhões previstas inicialmente para esta semana. De acordo com a Fiocruz, na quinta-feira passada (22), pela primeira vez, a fundação atingiu a marca de 1 milhão de doses produzidas em um único dia.