Bolsonaro e presidente do Paraguai se encontram na Ponte da Amizade para reabrir fronteira

Ligação está fechada desde 18 de março. Agenda presidencial inclui visita às obras da Ponte da Integração, financiadas pela usina de Itaipu

O Palácio do Planalto confirmou que a Ponte da Amizade, entre Foz do Iguaçu (PR) e Ciudad del Este (Departamento paraguaio de Alto Paraná) fechada há quase sete meses em decorrência da pandemia da covid-19, será reaberta no próximo dia 15. A principal ligação entre os dois países está bloqueada desde 18 de março deste ano.

A reabertura será feita durante ato simbólico, nas proximidades das aduanas entre os dois países, com as presenças dos presidentes do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, e do Paraguai, Mario Abdo Benítez, o “Marito”.  

Bolsonaro e Marito na posse do DGB, em fevereiro de 2019. Foto: Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional

Ambos estarão acompanhados de comitiva. Do Brasil estão confirmadas a vinda do ministro de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e do ministro de Minas e Energia, Bento Costa Lima Leite de Albuquerque.

Por questões de segurança, a solenidade devera ser restrita. A população poderá acompanhar a solenidade nas imediações (ou por meio de transmissão on-line). Na mesma data, também devem ser reabertas as fronteiras de Ponta Porã (MS) com Pedro Juan Caballero (Paraguai) e de Mundo Novo (MS) com a cidade paraguaia de Salto del Guairá.

A agenda a Foz inclui visita à Ponte da Integração, entre Foz do Iguaçu e Presidente Franco, vizinha a Ciudad del Este. A construção que está avançada, mais de 40% concluída, é financiada pela margem brasileira da usina de Itaipu.

Os detalhes do encontro dos dois mandatários estão sendo discutidos. A agenda poderá sofrer alterações. As medidas sanitárias estão em análise pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pelo Ministério da Saúde. As fronteiras de Ponta Porã com Pedro Juan Caballero e de Mundo Novo com Salto del Guairá também devem ser reabertas.

A reabertura da Ponte da Amizade virou um clamor popular. Os paraguaios foram às ruas inúmeras vezes protestar para que a ligação fosse liberada.  No lugar do “fiquem em casa”, “voltar a viver”. Esse é o apelo dos moradores do país vizinho. 

Sinal verde em live

O anúncio da reabertura da fronteira mediante todos os protocolos de segurança foi feito no dia 2 de outubro. Foi um dia depois de o presidente Bolsonaro divulgar em sua live tradicional no último dia 1º que se encontraria com o presidente do Paraguai para debater a possível reabertura da Ponte da Amizade. Acompanhado pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, o presidente afirmou: “Foz do Iguaçu está bombando”.

Na ocasião, o presidente também voltou a comentar sobre as obras estruturantes financiadas pela Itaipu na região, sob a administração do diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna.

Elogios à administração Silva e Luna

“[A] segunda ponte de Foz [Ponte da Integração Brasil – Paraguai] está 40% executada, fora a ampliação do Aeroporto de Foz do Iguaçu”, disse Freitas. “Foz do Iguaçu está bombando”, reforçou o ministro em sua fala. 

“[Com] 40% da obra executada, eles estão trabalhando em três turnos, é uma obra bonita de ver. Vale a pena”, concluiu.

Na live, Bolsonaro perguntou ao ministro: “Vamos dar uma chegada lá?”. “Quem sabe neste dia [da reunião com o presidente paraguaio] a gente vá à Ponte da Amizade para depois ir à outra ponte”, ressaltou o presidente.

Os investimentos de Itaipu em obras de infraestrutura somam cerca de R$ 1 bilhão. Nesse pacote estão a segunda ponte, a perimetral leste e a duplicação do trecho de 8,7 Km da 469, a Rodovia das Cataratas – uma das principais reivindicações da população e que vai garantir o grande salto de qualidade para Foz do Iguaçu se tornar num grande hub logístico, já que o aeroporto internacional também está passando por melhorias. O terminal está passando por uma ampliação da pista de pouso e decolagem.

O pacote de obras da Itaipu inclui ainda, finalização do mercado municipal, revitalização do Gramadão da Vila A num parque de lazer, construção de ciclovias e pistas de caminhadas e a transformação da Vila A no primeiro bairro inteligente do Brasil. 

Quarta vez em Foz em menos dois anos, segunda em 2020

Esta será a segunda vez que Bolsonaro vem a Foz neste ano. A última foi no dia 27 de agosto. Na ocasião, ele participou do lançamento da pedra fundamental da duplicação de um trecho de 8,7 KM da BR-469, a chamada Rodovia das Cataratas, cujas obras devem ter início no primeiro trimestre de 2021. No ano passado, o presidente visitou a fronteira no dia 26 de fevereiro, durante a posse do general Joaquim Silva e Luna como diretor-geral brasileiro de Itaipu. No dia 10 de maio de 2019, ele retornou à cidade para o lançamento da pedra fundamental da segunda ponte.    

Foz contra a covid-19

Foz do Iguaçu tem adotado todos os protocolos sanitários em função da pandemia. Itaipu criou uma ala de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital Ministro Costa Cavalcanti, mantido pela usina, e investiu mais de R$ 15 milhões nesta unidade e na compra de insumos, equipamentos e testes para aplicar na população. No total, os recursos contra a covid-19 chegam a R$ 25 milhões na região Oeste do Paraná, considerando ainda a contratação de 730 bolsistas da área de saúde e outras iniciativas como a concessão de auxílio eventual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com dívidas, Grupo Madero pode fechar em até um ano

O balanço do grupo Madero para o primeiro trimestre de 2021 afirma que, por falta de garantias de que conseguirá renegociar dívidas, há “dúvidas substanciais sobre a capacidade da companhia de continuar em funcionamento dentro de um ano após a data em que essas demonstrações financeiras consolidadas foram emitidas”. Apesar dessa declaração, a empresa continua firme em seu propósito de fazer um IPO (oferta inicial de ações) até o fim do ano.

Fundada pelo empresário Junior Durski, um dos apoiadores mais aguerridos do presidente Jair Bolsonaro no meio corporativo, a empresa paranaense fez ousada expansão pelo Brasil. Em 2019, vendeu, por R$ 700 milhões, 22% de seu capital para o fundo americano Carlyle (que recentemente repassou seus ativos no País à SPX, gestora de Rodrigo Xavier).

A companhia planejava um IPO para 2020, mas teve de interromper os planos por causa da pandemia. Além da abrupta queda de receita, por causa do fechamento dos restaurantes, a companhia também viu sócios como o apresentador Luciano Huck, que tinha uma participação minoritária, deixando o negócio rapidamente e por valor simbólico.

Agora, no entanto, o IPO estaria em pé novamente. A empresa até já contratou quatro bancos para a operação: Bank of America, BTG, Itaú e UBS estariam à frente da emissão de ações que viabilizaria a chegada do negócio à Bolsa paulista. A operação está marcada para este ano, segundo apurou o Estadão.

Apesar do que está escrito no balanço, fontes próximas à companhia disseram que o negócio foi bastante afetado pela crise da covid-19, mas que está se recuperando rapidamente com a reabertura da economia.

As ressalvas nas demonstrações financeiras dizem respeito a riscos que têm de ser informados aos investidores, mas não seriam nada que evidencie um risco concreto ao negócio.

“A empresa sofreu como várias outras e agora está se recuperando rápido, renegociando dívidas com os bancos e se preparando para o IPO, vida normal”, disse uma fonte próxima ao negócio.

Procurado, o Madero afirmou que não poderia se pronunciar, por estar em período de silêncio. Bank of America, BTG, Itaú e UBS foram contatados, mas não responderam até o fechamento desta edição.

Informações O Estado de S. Paulo.

Copa América registra 140 casos de covid-19, diz Conmebol

A Copa América, no Brasil, registrou até ontem (21) 140 infectados pela covid-19, entre atletas, membros de delegação, árbitros, operários e terceirizados envolvidos na competição. O dado foi divulgado pela Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol).

Segundo a confederação, foram realizados 15.235 testes do tipo PCR, para detecção do novo coronavírus, desde o início da competição, que começou em 13 de junho. Os números são organizados pelo Ministério da Saúde e a Comissão Médica da Conmebol.

A entidade ressaltou que o número de testes positivos representa 0,9% do total, e disse que os protocolos sanitários adotados “provaram ser altamente eficazes”.

“A maioria dos afetados são trabalhadores, membros de delegações e pessoal terceirizado. Em comparação com o relatório anterior, a incidência do coronavírus diminuiu, o que é um sinal claro de que as medidas preventivas e os protocolos de saúde estão funcionando conforme o esperado”, disse a Conmebol em nota.