Anvisa esquece de mandar email e reunião de emergência de kit intubação é cancelada

A reunião de emergência marcada para discutir, no domingo (21), a escassez de medicamentos para intubação de pacientes foi cancelada porque a Anvisa (Agência Nacional de Vigilência Sanitária) não enviou o email que deveria convocar e confirmar o horário do encontro, segundo representantes da indústria.

A conversa foi acertada verbalmente no sábado (20). Dela participariam diretores da agência, representantes do Ministério da Saúde, da indústria, o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), que representa os estados.

Os participantes ficaram esperando o email de confirmação da reunião, ou mesmo um telefonema – que não chegou. O “cano” da Anvisa foi confirmado à coluna pelo Consasems e pelo Conass.

O presidente do Sindicato da Indústria Farmacêutica do Estado de São Paulo (Sindusfarma), Nelson Mussolini, que representa 12 fabricantes de medicamentos, também confirmou o problema.

Segundo ele, um dos diretores da Anvisa, Romison Mota, explicou que estava tudo marcado, mas que a assistente dele não apertou o botão de “enviar” para que a mensagem chegasse ao email dos que deveriam participar da reunião.

Mussolini não critica a agência, diz que o problema foi involuntário e faz questão de dizer que o diretor Romison Mota está empenhado em resolver o problema. A reunião foi remarcada para a terça (23).

A Anvisa afirma que a “informação procede, em parte”.

“Mas a culpa não é da assistente. Houve um problema no sistema de agendamento, e após verificar o problema foi enviado mensagem aos participante” para explicar a falha.

“Importante informar que o objetivo da Anvisa, ao intermediar o agendamento da reunião, foi de contribuir para a aproximação do diálogo entre as indústrias e o Ministério da Saúde.

“Lamentamos o ocorrido e nos colocamos à disposição para intermediar, caso necessário, outro agendamento”, afirmou a agência em mensagem enviada à coluna.

O Brasil vive uma crise de abastecimento de medicamentos usados para a intubação de pacientes com Covid-19 em UTIs. Estoques estão vazios e estados e municípios alertam que eles podem acabar em poucos dias.

O Ministério da Saúde já requisitou medicamentos à indústria para abastecer o SUS. Os hospitais privados dizem que a medida pode piorar o problema, gerando desabastecimento em suas unidades.

Segundo a Associação Nacional de Hospitais Privados, os medicamentos podem acabar em 48 horas em algumas instituições se o problema não for resolvido.

Informações Banda B

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidade no Sul do Brasil terá estátua de Cristo maior que a do Rio de Janeiro

A cidade de Encantado, no Rio Grande do Sul, terá uma estátua de Cristo com 43 metros de altura, incluindo o pedestal, maior do que o Cristo Redentor, do Rio de Janeiro, e o terceiro maior do mundo.

O Cristo Redentor do Rio de Janeiro, no Corcovado, é um dos cartões-postais mais famosos do Brasil, mede 38 metros, incluindo o pedestal, e foi inaugurado em outubro de 1931.

A obra do Cristo de Encantado ganhou destaque na semana passada, quando os promotores do projeto concluíram o içamento dos braços e da cabeça da estátua.

Segundo informações divulgadas no site da Associação Amigos do Cristo Encantado, entidade responsável pela administração da obra, o Cristo Protetor de Encantado é fruto da união e dos esforços de famílias, líderes políticos, religiosos e empresários da cidade, que visam a transmitir “a fé do povo e alavancar o turismo da região”.

O projeto pretende ampliar a visibilidade e auxiliar na construção de uma identidade turística para a cidade, localizada na região da serra gaúcha.

A cidade de Encantado tem cerca de 22 mil habitantes e está localizada a 144 quilômetros de Porto Alegre, a capital gaúcha.

Com orçamento de R$ 2 milhões (cerca de 300 mil euros na cotação atual), o Cristo de Encantado está sendo erguido no Morro das Antenas, na Lagoa da Garibaldi.

A obra do novo Cristo começou em 2019 e deverá estar concluída no final deste ano.

Google doa R$ 5,5 mi para ajudar no combate à fome durante pandemia no Brasil

O Google.org, braço filantrópico do Google, anunciou nesta quinta-feira (8) a doação de R$ 5,5 milhões para a Gerando Falcões, que aponta como uma das principais instituições à frente dos esforços na luta contra a fome no Brasil. Com o valor doado, o Google.org apoiará diretamente a campanha “Corona no Paredão, Fome Não”, que consiste na doação de cestas básicas digitais por meio de cartões que serão recarregados com R$ 150 mensalmente pelo período de cinco meses.

A expectativa, segundo a empresa, é ajudar mais de sete mil famílias (35 mil pessoas) impactadas pela atual crise humanitária em 40 comunidades carentes nas regiões Norte e Nordeste do País.

“Para o Google, é uma honra apoiar uma instituição comprometida com o Brasil como a Gerando Falcões e poder ser parte dos esforços para o combate à fome no País, especialmente no momento crítico que estamos passando”, afirma Fabio Coelho, presidente do Google Brasil, em nota.

Segundo o grupo, desde o início da pandemia, o Google.org destinou mais de R$ 12 milhões no Brasil para diferentes iniciativas com o objetivo de contribuir com o País visando sua recuperação econômica e social.

Entre os projetos beneficiados no último ano estão o Potência Feminina, do Instituto Rede Mulher Empreendedora (IRME); TRANSformAÇÃO, da Transempregos; Conexão Educativa, da Nova Escola; ProtegeBR, plataforma da Olabi; e o Mapa da Saúde Mental, desenvolvido pelo Instituto Vita Alere.