Ampliação do cais aumenta a capacidade do Porto de Paranaguá

O governador Carlos Massa Ratinho Junior inaugurou nesta terça-feira (22) a obra de ampliação do cais do Porto de Paranaguá, no Litoral do Estado. O berço 201 foi modernizado e o cais de atracação foi prolongado em 100 metros. Os investimentos da empresa pública Portos do Paraná somam R$ 201,7 milhões e vão aumentar em 140% a capacidade atual de movimentação de cargas naquele berço.

Na solenidade, o governador também assinou a contratação das obras de derrocagem, para aumentar a profundidade do calado, e autorizou investimentos privados de R$ 117,7 milhões, para ampliar a exportação de açúcar do Paraná. Ele autorizou, ainda, o início do carregamento de grãos em um navio liberiano com os dois novos shiploaders instalados no berço 201.

Ratinho Junior destacou que a obra garante mais eficiência ao Porto de Paranaguá, que mesmo durante a pandemia quebrou recordes mensais de movimentação. “O aumento de capacidade é um ganho para o porto, que se consolida como um dos mais eficientes do Brasil e atende a forte produção do agronegócio paranaense, que tem crescido muito”, disse.

“A ideia é fazer com que o Porto de Paranaguá, que já é um dos maiores terminais graneleiros da América do Sul, tenha mais agilidade e eficiência para a exportação da produção paranaense”, ressaltou o governador. “Além disso, a derrocagem permite que os navios que chegam ao porto saiam mais carregados. Junto a outros projetos de modernização, como a expansão do corredor exportação de grãos, vamos ampliar a capacidade dos próximos 30 anos, para atender a demanda de crescimento do agronegócio brasileiro”, afirmou.

Em oito meses, entre janeiro e agosto deste ano, 11,15 milhões de toneladas de soja foram embarcadas pelo Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá, volume 5,1% superior à soja escoada em todo o ano de 2019. Até o mês de julho, foram exportadas 21,8 milhões de toneladas de produtos pelo terminal, um aumento de 14% com relação ao mesmo período do ano passado.

OBRA – A ampliação do cais de atracação permite que o Porto de Paranaguá receba navios maiores, que comportem até 80 mil toneladas de carga bruta, na categoria Post Panamax, de grande porte. Além do Paraná, a obra beneficia a exportação agrícola dos estados do Mato Grosso do Sul, São Paulo, Santa Catarina e também do Paraguai.

O berço 201 recebeu, ainda, nova estrutura eletromecânica, incluindo dois novos carregadores de navios de 2.000 toneladas/hora. Com isso, a capacidade anual de movimentação passará dos atuais 2 milhões de toneladas de grãos para 6 milhões de toneladas de grãos por ano.

O aumento de capacidade do sistema significa mais competitividade frente a outros portos, explicou o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia. “Investimentos como a extensão do berço, que amplia a capacidade de carga, garantem que as empresas que aqui operam ganhem em qualidade e preço competitivo”, disse.

“A competição entre os portos é muito forte. Estamos a 200 quilômetros dos portos de Santa Catarina e a 400 quilômetros de Santos. Se não for mais competitivo operar por Paranaguá, as empresas migram para outros portos, por isso é necessário investimento constante”, salientou Garcia. 

DERROCAGEM – O governador assinou o contrato e a Ordem de Serviço para as obras de derrocamento submarino do maciço rochoso conhecido como Pedra da Palangana. A remoção do material permitirá o aprofundamento do canal de acesso para até 14,60 metros. Com isso, o porto paranaense garante maior segurança na navegação, o que evita acidentes e aumenta a competitividade.

A obra, que deve iniciar em quatro meses, será totalmente custeada pela Portos do Paraná, que investe R$ 23,2 milhões nos serviços. O ganho estimado é de 1 metro de profundidade, o equivalente a mais 7 mil toneladas de granéis ou 120 contêineres extras por navio.

Para o secretário estadual da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, os investimentos no porto fazem parte de um pacote que atende os diferentes ramais logísticos do Estado. “O nosso compromisso para manter a competitividade da produção paranaense é fazer com que as cargas cheguem ao porto com custos reduzidos, resultado de uma logística eficiente em todos os níveis, incluindo os ramais rodoviários e ferroviário”, explicou o secretário, destacando a ampliação do Anel de Integração e do traçado da Ferroeste, que serão feitos nos próximos anos.

INVESTIMENTOS PRIVADOS – Ratinho Junior assinou, ainda, a autorização para que a empresa PASA – Paraná Operações Portuárias realize investimentos de R$ 117,7 milhões em seu complexo no porto. O Ordem de Serviço tem como base a renovação do contrato de arrendamento que foi aditado no final de agosto.

O contrato é válido até 2049 e prevê um aumento na capacidade do terminal, que passará de 3,6 milhões de toneladas/ano, para 6,7 milhões de toneladas/ano. Para isso, serão instalados de novos equipamentos e um novo armazém será construído.

Na primeira fase, que deve ser concluída até fevereiro de 2022, a PASA irá construir uma nova linha de embarque e instalar um novo shiploader, para movimentar até 2,5 mil toneladas/hora. Já a segunda fase, até fevereiro de 2023, prevê a edificação de um novo armazém para a armazenagem de 60 mil toneladas de açúcar ou de 45 mil toneladas de outros granéis sólidos.

“Isso vai ampliar nossa capacidade de exportação de açúcar para 7 milhões de toneladas por ano, tornando o Porto de Paranaguá um grande terminal exportador de açúcar e de outros produtos”, afirmou Miguel Rubens Tranin, diretor-presidente da Associação de Produtores de Bioenergia do Estado do Paraná (Alcopar), cujas as empresas associadas utilizam o terminal.

De acordo com ele, houve um aumento de 20% na produção de açúcar nesta safra em comparação com a anterior, com cerca de 2 milhões de toneladas de açúcar, sendo que 80% foi exportado pelo Porto de Paranaguá. “O Brasil é o maior produtor mundial de açúcar e responde por 50% do que é comercializado em todo o mundo, abastecendo mercados como o Oriente Médio, Rússia e China”, destacou. 

PRESENÇAS – Participaram da solenidade os secretários de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara; e do Desenvolvimento Sustentável e Turismo, Márcio Nunes; e o capitão de Mar e Guerra Rogério Antunes; e os diretores da Portos do Paraná: André Prioli (Empresarial); Daniel Romanowski (Administrativo e Financeiro); Marcus Freitas (Jurídico); Rogério Barzellay (Engenharia e Manutenção); João Paulo Santana (Meio Ambiente) e Luiz Teixeira (Operações Portuárias).

Informações AEN.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Obras da Sanepar no Litoral reforçam sistema de abastecimento para temporada

A Sanepar finaliza nos próximos dias obras no Litoral que vão melhorar o abastecimento de água durante o verão 2021/2022. Nesta semana, será concluída a interligação da nova adutora ao sistema de abastecimento de Morretes. Com extensão de 6,2 quilômetros, a nova tubulação irá levar água tratada da Estação Iporanga até a região central da cidade, substituindo a antiga adutora. A estação de tratamento também teve a implantação de um desarenador, que contribui para manter a produção de água e evitar interrupções no sistema nos dias de turbidez elevada do rio. 

Em Guaratuba, a Sanepar concluirá no dia 15 obras que reforçam o abastecimento de água na Região do Mirim, que em períodos de maior consumo, como ocorre na temporada, pode ficar desabastecido por baixa pressão. Para reverter essa situação, a Sanepar está instalando um equipamento chamado booster, que tem uma bomba que aumenta a pressão da água, e também está assentando 900 metros de tubulação de grande diâmetro (DN 250) que vai levar água exclusivamente para o Mirim.

Outra medida em Guaratuba foi a substituição de 600 metros de rede na saída da estação de tratamento por uma tubulação de ferro dúctil, mais resistente, a fim de evitar rompimentos na temporada.

MAIOR RESERVAÇÃO – A Sanepar reforçou a capacidade de reservação de água nos últimos anos e fez melhoria em reservatórios do Litoral. A atual capacidade de reservação em Matinhos, Morretes, Pontal do Paraná, Guaratuba e Guaraqueçaba é em torno de 39 bilhões de litros de água. Durante a temporada, entrarão em operação cinco reservatórios modulares, do tipo contêiner, com capacidade de 70 mil litros cada um. Essas unidades atenderão as áreas mais distantes dos centros de distribuição de água. Os equipamentos são móveis e possuem conjunto motobomba, que pressuriza melhor a rede, e podem ser reabastecidos por caminhão-pipa.

Além disso, a Companhia contratou 15 caminhões-pipa que ficarão disponíveis para reforços emergenciais no Litoral. Também serão instalados 29 geradores de energia que podem manter a operação do abastecimento mesmo que haja queda no fornecimento de energia.

AÇÕES SOCIAIS E DE MEIO AMBIENTE – A Sanepar voltará a disponibilizar serviços de cadeiras anfíbias e passarelas de acessibilidade nas praias, beneficiando pessoas com restrições motoras. Outras ações socioambientais desenvolvidas pela Sanepar serão as duchas ecológicas, atividades lúdicas para crianças e a limpeza das praias. Essas atividades são desenvolvidas em parceria com o Governo do Estado.

Casal de Morretes compra Airbus e transporte de avião pelas ruas ‘para a cidade’ no Litoral

Em Morretes, no litoral do Paraná, um casal de empresários comprou um avião do modelo Airbus A318 com a finalidade de deixá-lo em um terreno privado, no centro da cidade.

Para transportar a aeronave até o destino, foram necessários uma equipe de especialistas, agentes da Polícia Militar e representantes da Companhia Paranaense de Energia (Copel), que fizeram o percurso nesta quarta-feira (1º/12), pela BR-277.

O trajeto de 11 quilômetros, que dura em média 20 minutos, levou aproximadamente três horas em razão de todas as precauções necessárias e chamou a atenção de motoristas e moradores do local.

Airbus A318 foi transportado pela BR-277 até Morretes, no litoral do Paraná — Foto: Vanessa Rumor/RPC

Os novos proprietários da aeronave contaram que são apaixonados por aviação e que pretendem inicialmente deixar o Airbus em uma propriedade privada, mas, futuramente, o avião poderá se transformar em um ponto de entretenimento.

Leia a matéria completa no Portal Metrópoles.