45 curiosidades sobre Curitiba

1. O nome Curitiba é indígena, “kur yt iwa” (lugar cheio de pinheiros). Por isso as araucárias são sagradas, uma pessoa uma vez arrancou uma mas ninguém sabe o paradeiro dela mais.

2. Temos 75 bairros, tudo lindo, um ou outro que destoa.

3. Os bairros Hauer e Fanny têm estes nomes em homenagem ao imigrante alemão Roberto Hauer e sua esposa, que eram donos do Rio Belém até o novo Mundo. Com o falecimento deles, um dos “terrenos” recebeu o nome de Hauer e o outro de Fanny.

4. O bairro Pinheirinho já foi chamado de “Capão dos Porcos” devido às fazendas de gado que tinham lá. Mudaram o nome depois por motivos óbvios, né?

5. O bairro Jardim Social já foi chamado de “Morro do Querosene”. Tenho até medo de saber o porquê.

6. No bairro Água Verde tinha um rio (hoje canalizado), que tinha muitas algas que lhe davam um aspecto esverdeado. Desde sempre um luxo.

7. Reza a lenda que o bairro Bacacheri leva este nome por causa de um francês que vivia ali e tinha uma vaca chamada “Chérie” (querida). Quando ele chamava a bicha, soava como “Baca chérie!”. Sacou?

8. O Batel leva este nome porque lá uma vez teria naufragado um batel (pequena embarcação). Nem me pergunte como, aliás tem treta neste lugar desde aquela época.

9. O Boqueirão era uma fazenda com muitos banhados, que tinha uma grande cova bem funda que os habitantes chamavam de “boqueirão”. A louca do boqueirão foi uma das nossas figuras mitológicas, que lascava beijo nos piás dentro do expresso e depois corria dando gargalhadas.

10. O Portão era um portão mesmo, um posto de fiscalização, numa época em que lavradores e tropeiros viviam em pé de guerra por causa do comércio de animais.

11. Antigamente as corridas de cavalos aconteciam no Prado Curitibano. Com a inauguração do hipódromo do Tarumã, as corridas passaram a acontecer lá e o local começou a ser chamado de Prado Velho, ou seja, ninguém mais dava a mínima.

12. Umbará é porque lá tinha muito barro devido ao solo argiloso. “Um bará” ou “um barro só”, tipo isso.

13. Carmo não é bairro, criatura! É praça, é terminal, é Santa mas não é bairro.

14. O 1º nome da cidade foi Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, que mudou para Corityba e depois Curitiba. Melhor né, o 1º nome parecia um biarticulado.

15. Curitiba foi capital do Brasil em 1969, mas por apenas 3 dias. Que pena, a gente teria botado estes políticos jaguara tudo pra trabalhar.

16. Avenida das Torres não existe tá anjo, se jogar no GPS a guria te xinga.

17. 29 de março é aniversário da cidade, mas não é feriado. O feriado é no dia da padroeira, 8 de setembro. Além de muito religiosos, adoramos um feriadão.

18. Somos capital ecológica do Brasil e cidade mais sustentável da América Latina. Jogue um papel de bala no chão e a gente vai te caçar seu porco.

19. Rua das Flores é o mesmo que Rua XV, mas essa rua é minha e eu chamo como quiser.

20. Champagnat é gourmetização de Bigorrilho, mas este nome ninguém merece mesmo. Ecoville é o Mossunguê purpurinado.

21. A cidade tem o 1º prédio giratório do mundo, na Ecoville, onde os apartamentos giram 360º. Não vendeu 1 única unidade porque curitibano tudo sofre de labirintite.

22. Curitiba é a 2ª cidade com o maior número de descendentes de poloneses nas Américas, perdendo apenas para Chicago. Pra onde vc olha tem um polaco do djanho.

23. Temos um bairro dedicado à culinária italiana, Santa Felicidade, que leva esse nome porque polenta frita e felicidade são praticamente a mesma coisa. É lá que fica o maior restaurante das Américas, o Madalosso, com quase 5 mil lugares.

24. Curitiba é a capital mais fria do Brasil. Faz temperatura negativa todo ano e nevou em 1975 – fez 10 metros de neve segundo a minha vó.

25. Curitiba tem o menor índice de analfabetismo entre as capitais brasileiras. Agora só falta a gente aprender a falar com estranhos.

26. Eu sei que a Rua dos Chorões é linda, mas ela só existe na sua cabeça tá?

27. Tem um homem nu imenso na Praça 19 de Dezembro. O peladão chama tanta atenção que roubou o nome da praça.

28. Museu do olho é o teu nariz. Se oriente, tongo véio.

29. O terminal do Pinheirinho fica no Capão Raso, o do Capão Raso fica no Novo Mundo, o da Sta Cândida fica no Tingui e a rua Guabirotuba não fica no Guabirotuba. Eu sei, é meio confuso, mas vc precisa se acostumar tá meu amorzinho?

30. Vc vai rodar o Cajuru até morrer e não vai achar o Hospital Cajuru.

31. Boca Maldita é o apelido de um trecho da Rua das Flores, frequentado pelos Cavaleiros da Boca Maldita, que eram na realidade um bando de aposentados fofoqueiros sem nada melhor pra fazer da vida.

32. Coritiba já foi o nome da cidade, mas hoje é o nome de um dos clubes de futebol. O time tinha tantos branquelos descendentes de alemães e poloneses que zoavam chamando o clube de “coxa-branca”. Daí pegou o apelido de Coxa.

33. Em 1980 o Papa mais fofo da história, João Paulo II, visitou Curitiba e celebrou a Santa Missa no Centro Cívico, no local hoje conhecido como Bosque do Papa.

34. O Paço da Liberdade já foi sede da Prefeitura, já foi Mercado Municipal e abrigou o primeiro elevador da cidade. Pensa num lugar badalado.

35. A construção da Ópera de Arame foi the flash, em apenas 75 dias, por isso ficou parecendo um viveiro.

36. A maior rua de Curitiba é a Avenida Marechal Floriano, com 12,5 km. Tem outra maior, com 18 km, só que a desgraça muda de nome nove vezes — começa como Eduardo Sprada, vira Nossa Senhora Aparecida, Gonçalves Dias, Avenida do Batel, Benjamin Lins, Dr Pedrosa, André de Barros, Nilo Cairo até terminar como Avenida Souza Naves.

37. A menor rua de Curitiba é a Rua Amilton Breda, no Cajuru, com 21 metros. A Avenida Luís Xavier, na Boca Maldita, é conhecida como a menor avenida do mundo, com apenas 152 metros.

38. Curitiba é a capital com maior número de bibliotecas; tem 1 pra cada 10 mil habitantes. Povo lê bastante que é pra não precisar interagir.

39. O Marco Zero de Curitiba é um monolito instalado pelo capitão Matheus Leme na fundação da cidade, em 1693, ali na Praça Tiradentes.

40. A árvore mais velha de Curitiba é uma imbuia com mais de mil anos que fica no Bosque do Capão da Imbuia. A árvore mais alta é uma paineira no Bom Retiro, com 35 metros de altura e mais de 300 anos.

41. Curitiba é a capital do cachorro-quente, com 535 carrinhos licenciados. Lembrando que é tudo pão com vina, já que salsicha não existe.

42. A linha de ônibus mais longa é o Água Verde / Abranches, com itinerário de 26,2 km. A linha mais curta é a Alferes Poli, com 11 km. Você não podia morrer sem saber disso.

43. Em 1886 foi inaugurado o Passeio Público, 1º parque de Curitiba e o único até 1972, quando surgiram os parques Barigui e São Lourenço.

44. Em 1912 foi fundada a UFPR, a universidade mais antiga do país, nosso maior xodó depois das capivaras.

45. Curitiba é conhecida como “Cidade Sorriso”, apelido dado por alguém muito sem noção. Sorriso é o cacete, nem me olhe com esta cara de carente.

Solan Valente – autor do texto

Opção vegana faz sucesso em sorveteria curitibana

As sobremesas costumam ter atenção especial de pessoas com restrições alimentares. Diferentes de pratos salgados, nos quais é mais fácil perceber que levam carne ou algum tipo de alimento de origem animal, os doces precisam de mais informações para garantir que são veganos. Uma pedida para pessoas veganas que não leva leite ou qualquer outro insumo de origem animal é a linha da SOFT Ice Cream.

A rede apresenta sorvetes artesanais, com dedicação a cada etapa da produção de suas sobremesas. E as opções veganas da marca também estão entre as mais pedidas, até por quem não tem restrição quanto ao que consome. Mantendo muito sabor, os sorvetes veganos são feitos com as frutas, água e açúcar, não levando nenhum tipo de ingrediente de origem animal, nem conservante, emulsificante, corante ou aromatizante. O de frutas vermelhas é feito com morango, framboesa, amora e mirtilo, enquanto o de frutas amarelas leva manga e maracujá.

São três lojas SOFT em Curitiba, e casa uma tem sua opção. As unidades Batel e Palladium servem frutas vermelhas, enquanto a do MON tem frutas amarelas.

A SOFT conta com três lojas em Curitiba: Shopping Palladium (Av. Presidente Kennedy, 4121 – Piso L1 – Portão), Batel (Al. Dr. Carlos de Carvalho, 665) e Museu Oscar Niemeyer – MON (R. Manoel Eufrásio, 1550 – Centro Cívico). Mais informações no perfil oficial da rede no Instagram (@soft.icecream.co).

Congelados de alta gastronomia dão sabor ao verão paranaense

A praticidade na cozinha é sempre bem valorizada, ainda mais para quem está de férias e não quer perder muito tempo em frente ao fogão – mas também não abre mão de uma refeição saborosa. Os congelados, que já foram vistos com maus olhos por perder qualidade e sabor dos alimentos, hoje contam com opções de alta gastronomia que ganham muito em qualidade e são fáceis de preparar. Das linhas fit até pedidas dignas de restaurante, há muitas opções.

A Ragú Rotisseria& Co. é uma empresa curitibana que entrou com tudo no mercado de ultracongelados. O cardápio variado da empresa, elaborado pela chef e restaurateur Fernanda Zacarias de Alencar, destaca insumos de alta qualidade e um preparo atencioso em entradas e pratos principais. Muitos dos pratos mais pedidos são apresentados no formato ultracongelado, cujo processo mantém intactas as propriedades do alimento sem alterar sabor nem apresentação.

Essa praticidade, já apresentada em Curitiba, também ganhou o litoral. Durante o verão, a empresa montou uma pop-up store em Caiobá. “Apresentamos nessa loja um grande linha de aperitivos, antepastos, massas, molhos, massas de forno, pratos prontos para a família e nossos PFs do dia a dia”, explica Bruna Loddo, sócia de Fernanda na Ragú. No site da Rotisseria, há dicas para preparo, além das sócias deixarem aberto um canal para tirar dúvidas sobre montagem de pratos, garantindo que a refeição congelada terá um tratamento de alta gastronomia.

As massas pré-prontas estão entre as mais pedidas, apresentadas em diferentes formatos. As recheadas vem em porções de 400 gramas que atendem duas pessoas, em sabores como Queijo Canastra, Brie & Damasco e Zucca (abóbora). Já massas lisas e gnocchi (como o Tagliatelle verde e o Gnocchi clássico de batata com rústico de tomate) são apresentados por quilo. O cliente adiciona o molho que preferir à massa, do Bechamel e do Funghi até o Creme de limão siciliano, vendidos também por quilo.

A linha PF Dia a Dia traz porções individuais de 350 gramas ultracongeladas. São escolhas que vão do PF de carne moída com arroz integral, legumes e feijão, ou ainda o Frango ao curry, arroz com castanha de caju e cenouras assadas até Bobó de camarão rosa com arroz branco e farofa de dendê. O menu tem diversas pedidas vegetarianas, como Canelone de ricota e espinafre ao molho sugo e bechamel e a Panqueca integral de legumes ao molho sugo. Os ultracongelados da Ragú Rotisseria & Co. podem ser encontrados na loja de Curitiba (R. Francisco Rocha, 533 – Batel) e na praia de Caiobá, em Matinhos (R. Ipiranga, 192 – Praia Mansa). Mais informações no site ragurotisseria.com.br e ou no perfil oficial da marca no Instagram (@ragu.rotisseria).

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com