​Polícia Civil apreende adolescente que estaria planejando e orientando ataques a escolas

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) apreendeu um adolescente suspeito de estar planejando e orientando ataques a escolas.  A captura ocorreu na quarta-feira (2), em Palmas, na região Sudoeste do Paraná.  

A PCPR chegou até o jovem após receber um relatório da Homeland Security Investigations, da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, no início da semana, informando que o usuário da internet estaria praticando os atos. 

Durante a ação, os policiais cumpriram buscas na residência do indivíduo, onde foi apreendido computador, celular e equipamentos de armazenamento. O jovem foi apreendido e encaminhado à delegacia da PCPR. 

INVESTIGAÇÕES

A PCPR verificou que o adolescente estaria dando orientações sobre ataques em escolas. Em uma das conversas, ainda foi apurado que o jovem estaria dando instruções a outro adolescente sobre como matar a própria mãe.  

Durante o depoimento à PCPR, o adolescente informou ainda que seria um líder e que as pessoas o procuravam para que ele desse as instruções.  

O menino ainda tinha fotos impressas do autor do massacre de Suzano, em São Paulo, ocorrido em uma escola no dia 13 de março de 2019. Na ocasião, nove pessoas foram mortas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Grupo suspeito de comprar celulares com notas de R$100 falsas é alvo de operação da PF em Curitiba

Um grupo suspeito de comprar celulares em plataformas virtuais com notas de R$100 falsas é alvo de uma operação da Polícia Federal, na manhã desta quarta-feira (1º), em Curitiba e região metropolitana (RMC).

Na “Operação Derrame” estão sendo cumpridas 16 ordens judiciais, sendo seis mandados de prisão e dez de busca e apreensão na capital e Contenda. Os mandados judiciais foram expedidos pela 14ª Vara da Justiça Federal em Curitiba.

A introdução das cédulas falsas era feita através da compra de aparelhos celulares anunciados para venda em uma grande plataforma virtual. As compras eram realizadas com cédulas de R$ 100,00 (cem reais) falsas, com apenas três numerações de série diferentes. Conforme foi identificado na investigação policial, os suspeitos agiam de forma organizada para praticar os fatos criminosos e fizeram várias vítimas com suas ações.

Segundo a PF, os suspeitos possuíam funções distintas dentro do grupo investigado. Há o mentor intelectual das ações, que monitorava os anúncios de venda de aparelhos celulares na plataforma virtual e criava, para cada contato com os vendedores, um usuário falso para iniciar a negociação. Já os outros suspeitos atuavam na parte operacional do grupo, se passando pelos usuários falsos criados e indo até as residências das vítimas para comprar os aparelhos celulares com o dinheiro falsificado.

O grupo é suspeito de praticar um grande número de ações criminosas, em que cada compra eram repassadas entre 15 e 25 cédulas de R$ 100,00 falsas. Para obter lucro, os suspeitos efetuavam a venda dos aparelhos celulares, inclusive por intermédio de uma distribuidora de bebidas do pai de um dos investigados.

Com as medidas cumpridas nesta quarta-feira, a PF espera identificar outros indivíduos que tenham participação nos fatos, bem como recuperar os bens vendidos pelas vítimas.

Os presos serão indiciados pelo crime de moeda falsa, associação criminosa e lavagem de dinheiro, cujas penas podem ultrapassar 12 anos de reclusão.

Informações Banda B

Vídeo mostra dupla tentando matar cachorro a tiros em Curitiba; polícia busca suspeitos

Um vídeo divulgado pela Polícia Civil, nesta segunda-feira (30), mostra o momento em que uma dupla tenta matar um cachorro no bairro Tatuquara, em Curitiba. O caso, segundo a polícia, aconteceu no último sábado (28), na rua Doutor Cesar Perneta. Com a divulgação, e o flagrante, os investigadores pedem denúncias à população que levem ao encontro dos suspeitos.

Nas imagens é possível notar que um dos suspeitos saca arma e aperta o gatilho para acertar o animal. No entanto, de acordo com o delegado Matheus Laiola, da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), o revólver falha e os disparos não acontecem.

“A gente precisa identificar quem são estas duas pessoas. Assim, poderemos pedir a prisão deles por maus tratos e responsabilizá-los criminalmente pelo o que eles fizeram ou, neste caso, tentaram fazer”, alegou.

Após tomar conhecimento, um dos investigadores da Polícia Civil esteve no local. O cão está bem.

Caso você tenha informações sobre as identidades dos suspeitos, entre em contato com o número (41) 3251-6200. A polícia garante o anonimato.

Vídeo

Veja o momento flagrado pela Polícia Civil, abaixo.

Informações Banda B