in ,

Entrevista com João Frigério, o Plantão 190

João Carlos Frigério, é mais conhecido na internet como Plantão 190. Se tornou um mito do jornalismo policial e há muito tempo se dedica a sua profissão levando muita informação para seus seguidores e a todos que acompanham seu trabalho. É um grande amigo e parceiro nosso e resolvemos entrevistá-lo para mostrar um pouco mais sobre este grande profissional. Com toda a certeza você já assistiu alguma matéria realizada pelo “Big Plants”, muitas circulam na web até hoje!

1904240_10201373346844893_772671061_n

João, quando você começou a trabalhar com jornalismo policial?

Em 2003 comecei a trabalhar no Grupo Paulo Pimentel, que dirigia dois jornais, o Tribuna do Paraná e O Estado do Paraná. Fui contratado como digitador temporário. Após os três meses de bastante empenho, fui efetivado, porém para trabalhar com Edição de Imagem, para ser mais exato, Photoshop. Eu já fotografava por hobby, porém ali tive uma experiência fantástica aprendendo com vários fotojornalistas sobre o assunto. Peguei gosto pela coisa e após três anos, houve mudanças na empresa e várias pessoas foram demitidas, eu fui uma delas. Após minha saída do jornal, eu já estava trabalhando como parceiro da Agência Estado de São Paulo, e pouco depois para a Folha Press de São Paulo também. Consegui muitos flagrantes e resolvi então criar um portal exclusivamente de notícias factuais e policiais. Registrei em 2008 o Plantão 190 e iniciei uma jornada diferente, na época com streamings ao vivo dos locais de ocorrência, coisa que ninguém fazia. Isso ajudou a alavancar as rede sociais como o Twitter. Aí pra frente não parei mais.

Como surgiu a ideia de criar o “Plantão 190”?

Percebi que em Curitiba havia uma carência de portais com notícias policiais. O único na época era o Paraná-Online, que não era exclusivamente policiais e sim geral. Aí resolvi investir nessa área.

Qual foi a situação mais difícil e a mais legal que você passou no trabalho?

Posso dizer algumas que foram as mais difíceis. Em 2008 fui até Santa Catarina com as equipes do Corpo de Bombeiros do Paraná, acompanhar o trabalho de resgate das vítimas de enchentes e deslizamentos de terra. Eu não tinha ideia do caos que estava o local até chegar lá e ver com meus olhos. O cenário era de guerra, dezenas de pessoas feridas, mortas, desaparecidas, muitos lugares sem energia elétrica e água potável. Fiquei três dias junto com as equipes, atravessei rios, atoleiros de lama, e acompanhei o resgate de 200 estudantes que estavam ilhados na Cascanéia. Após os 3 dias de trabalhos retornei junto com as equipes meio atordoado, meio em choque, foi aproximadamente 1 semana para colocar a cabeça no lugar novamente. Quando você vai para um cenário desses não tem ideia do que vai encontrar. As fotos que fiz rodaram jornais e portais do Brasil todo.

Durante alguns anos acompanhei o trabalho do Corpo de Bombeiros do Paraná, adquiri um conhecimento razoável principalmente na questão de primeiros socorros, e muitas vezes já deixei de fazer uma matéria para ajudar no socorro de um ferido. Há algum tempo, eu estava no bairro Santa Cândida e descobri que uma mulher havia sido esfaqueada. Ando junto comigo um kit de bandagens especiais para ferimentos de tiros e facadas. Pensei na hora em prestar socorro e fui até o local. Chegando lá não havia polícia nem socorristas. Entrei na casa e me deparei com uma menina de 9 anos ferida no peito por um golpe de faca. Fui até ela e tentei achar pulso em vão. Liguei novamente no 193 e repassei informações da gravidade da situação. A primeira equipe a chegar no local foi do médico, Dr. Mizael. Abordei ele ainda na saída da ambulância e repassei o estado clínico da criança. Entrei com o médico na casa e acompanhei o trabalho, mas infelizmente nada podia ser feito. Ela já estava morta. A mãe acompanhou tudo em choque, e não conseguia acreditar que a filha estava morta. A todo momento ela perguntava se a filha ia ficar bem. O mais difícil era como o local era uma cena de crime, tínhamos que retirar ela dali e todos os curiosos. Foi muito difícil. Resolvi após isso ficar até o final para entender o que havia acontecido ali. A primeira equipe policial a chegar no local, deu entrevista à imprensa e o policial, quando falava as equipes de televisão se emocionou. Ele relatou que tem uma menina da mesma idade e que imagem que ele viu era chocante demais.

Fui embora, em choque, triste, pois queria ter feito algo para ajudar, para salvar aquela vida, mas nada pode ser feito. Liguei para minha mãe aos prantos e contei a história.

No dia seguinte descobrimos que o autor do crime havia se entregado. O assassino era primo da menina e confessou que cometou o crime pois ouviu vozes ordenando que ele fizesse aquilo.

A situação mais bacana é o reconhecimento. Muitas vezes pessoas nos abordam na rua, shopping, para elogiar o trabalho. Também em ocorrências que conseguimos ajudar, como por exemplo pessoas que não conseguem atendimento médico, um leito, nós como imprensa temos obrigação de lutar por essas pessoas, e muitas vezes, expondo o problema na mídia, a solução vem rápido e isso não tem preço, saber que muitas vezes ajudamos a salvar uma vida.

Hoje você está trabalhando somente com o Plantão 190? Como é a  sua rotina?

Hoje trabalho como repórter cinematográfico durante a madrugada para a Rede Massa/SBT. Já são quase três anos ali e estou muito satisfeito profissionalmente. A televisão da uma estruturada e suporte muito bacana que nos motiva bastante a trabalhar. Durante o dia, tenho uma parceira com o portal e jornal Bem Paraná. Levei meu conteúdo do Plantão 190 para dentro do portal e o resultado também foi muito positivo. Estamos juntos há mais de um ano nessa parceria. Ainda nas horas vagas faço alguns freelances de fotografia. Hoje o Plantão 190 também é feito pela Jéssica Souza, minha noiva, que me ajuda bastante.

Pode deixar um recado para o pessoal que gosta do seu trabalho?

O Plantão 190 não é feito só por mim e pela Jéssica e sim por todos os seguidores que nos ajudam, repassam informações cruciais no dia a dia. Isso tem feito toda a diferença no nosso trabalho e sou muito grato por isso! Continuem nos seguindo que se tudo der certo vem novidades muito bacana por aí!

CONFIRA ALGUNS TRABALHOS DELE:

Mulher surda-muda apedrejada no Prado Velho quando pedia comida. No momento da foto os socorristas do Siate e o médico chegavam no local.

1

Grupo TIGRE da Polícia Civil

2
RONE

3
Tees Brazil – TREINAMENTO

4

Tees Brazil – CURSO

5

Ameaça de bomba no centro de Curitiba

7

Policiais Civis da Força Especial de Repressão Antitóxico (FERA) em conjunto com o núcleo da região metropolitana sob comando do Delegado Cássio André Dias Conceição da divisão estadual de narcóticos (Denarc), prenderam uma quadrilha suspeita de roubar carros e trocar por drogas após investigação de três semanas. A quadrilha havia mudado para o Bairro Gralha Azul em Fazenda Rio Grande há pouco mais de 1 mês. No fim de semana eles teriam roubado dois veículos, um Ford Fiesta e um Sandero. Durante o dia eles saíram com o Fiesta para roubar outro carro e o Sandero ficou na residência. Os policiais invadiram a residência e detiveram um casal. Para prender o resto da quadrilha foram necessárias três horas de campana aguardando o resto do grupo retornar para a residência. Já era noite quando o grupo começou a retornar na casa. Primeiro voltaram com o Fiesta. Logo em seguida dois rapazes chegaram com um Astra que haviam acabado de roubar em São José dos Pinhais. Todos foram detidos.
Na residência ainda havia um livro religioso falso, usado para transportar uma pistola em seu interior.
O que chamou a atenção dos policiais é que no dia anterior, utilizando o Sandero roubado eles praticaram um assalto a um casal no bairro Pinheirinho em Curitiba. Além de dinheiro e celulares os bandidos roubaram um cachorrinho da raça Yorkshire. O animalzinho já tinha destino, a namorada de um dos integrantes da quadrilha.
Cinco jovens presos, três veículos, um revólver calibre 32 e o cãozinho recuperados foram encaminhados ao Denarc em Curitiba.
Na Denarc os policiais conseguiram localizar os donos do Yorkshire. Na chegada da família a emoção tomou conta de todos.

TWITTER: http://twitter.com/plantao190
FACEBOOK: http://facebook.com/plantao190
BEM PARANÁ: http://www.bemparana.com.br/plantao190/

Cassio Ferreira

Written by Cassio Ferreira

"Quando a intenção é verdadeira, o universo conspira a favor."

Primeiras impressões dos gringos sobre Curitiba

Primeiras impressões dos gringos sobre Curitiba

Youtubers curitibanos #03 - David Braun

Youtubers Curitibanos #03 – David Braun