in , ,

Dentista brasileiro viaja o país e o mundo para recuperar sorrisos de pessoas de comunidades carentes

Um dentista brasileiro tem viajado o país e o mundo a fim de devolver um sorriso saudável a pessoas de baixa renda e áreas carentes. Felipe Rossi e uma equipe de 18 pessoas fazem parte da ONG Por1Sorrisocriada por eleque promove atendimento dentário gratuito em locais de extrema pobreza ou poucos recursos, como populações ribeirinhas e indígenas, quilombolas, moradores do sertão nordestino, povoados em condição de miséria no continente africano e favelas.

— Tudo começou em 2015 quando eu fiz um trabalho voluntário em Moçambique pra uma ONG chamada Missão África, que faz parte do nosso projeto atualmente. Lá eu vivi histórias que me fizeram voltar para o Brasil muito mexido. Em 2016 retornei a Moçambique e voltei certo de que eu precisava fazer algo maior pelo Brasil, explicou.

Felipe Rossi em missão na África
Felipe Rossi em missão na África Foto: Reprodução/ Facebook

Para Felipe era a hora de usar a odontologia como ferramenta para reinserção social de pessoas.

— Precisava usar a odontologia e tudo que eu tinha aprendido para levar qualidade de tratamento e o melhor que nós temos no consultório para comunidades carentes. E comecei o projeto com a doutora Marina, que hoje não está mais trabalhando com a gente, mas fez parte desse início, disse.

A ONG Por1Sorriso fez vários trabalhos pelo continente africano, e, segundo Felipe, atuar naquele lugar trouxe visibilidade para o projeto, porém, hoje, o foco do grupo é o Brasil. O dentista explica que no país quase não há atendimento odontológico gratuito.

— Aqui tem um déficit muito grande de atendimento odontológico. Atendimento médico ainda se encontra em postos de sáude, mas odontologia, nem isso. E é nessas pessoas que queremos chegar.

Paciente atendida pela ONG
Paciente atendida pela ONG Foto: Por1Sorriso

A cada lugar que o grupo passava, histórias ficam. E uma delas é do jovem Thiago, de 17 anos, que o Dr Felipe conheceu no sertão de Pernanbuco enquanto fazia um atendimento. Apesar do jovem não estar na lista para o tratamento, Felipe o convidou para participar da ação.

— E eu o vi pela janela, ele nem estava na lista, mas eu pedi para ele sorrir e vi que não tinha restado quase nenhum dente. Era um menino que não abria a boca. Fizemos o atendimento, ele olhou no espelho, agradeceu e foi embora, e eu achei que ele não tivesse gostado. Logo depois a mãe veio nos agradecer e disse que ele sempre pedia o tratamento no dia do aniversário, mas como ela não podia pagar, dizia para o menino pedir a Deus, até que a gente apareceu. No fim ela me deu um saco de goiaba como forma de agradecimento. Aquilo foi muito forte pra mim.

Paciente atendido pela ONG
Paciente atendido pela ONG Foto: Por1Sorriso

Nos atendimentos os pacientes têm direito a limpeza, reconstruções, e implantes. E para manter o trabalho, a ONG conta com doações e parcerias. No site do projeto é possível acompanhar todas as informações financeiras da ONG, assim como as doações que Felipe e a sua equipe recebem de parceiros e colaboradores. Lá tembém é possível inscrever uma localidade para receber a visita do projeto Por1Sorriso, além da agenda por onde eles passam.

Paciente atendida pela ONG

Mais informações:

https://por1sorriso.org/

//Via: Jornal Extra

Cassio Ferreira

Written by Cassio Ferreira

"Quando a intenção é verdadeira, o universo conspira a favor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4º Festival da Cerveja Artesanal acontece neste fim de semana

Bar de Curitiba dará 200 chopes se o Coxa não levar gols nesta sexta-feira